Dez coisas que eu adoro em você *



Adoro o jeito que fala comigo
e como arruma o cabelo
Adoro como pilota sua moto
e adoro como nunca tem medo

Adoro seus tênis do tipo allstar
e como faz com que eu queria ficar
Eu adoro tanto isso em você
que agora sei o que é apaixonar

Adoro como está sempre certo
e adoro quando é sincero
Adoro como me faz gargalhar
e mais ainda quando me consola quando desabo a chorar

Adoro quando está perto mesmo longe
e fato de sempre me ligar
Mas eu adoro principalmente
poder te amar
mais que tudo
mais que qualquer coisa
amo apenas por te amar


*** Paráfrase do poema feito por Kat a Patrick no filme 10 Coisas que Odeio em Você

" Jovem promessa da literatura nacional comenta sobre seus livros e influência " Entrevista para Revista Conexão Literatura

Como prometido, segue o link da entrevista que dei para a Revista Conexão Literatura, agora parceira do blog...

ENTREVISTA:

Conexão Literatura: Conte pra gente como foi seu início no meio literário, influências, etc.

Thays Martins de Paiva: Bom, minha mãe é professora de português então desde sempre ela, de alguma forma, me influenciou. Lembro-me do dia em que ela foi comigo até a escola ela dava aula – e eu passei a estudar – para fazer uma conta na biblioteca. A partir daí eu estava sempre lá. Mas confesso que grande parte do meu amor pela leitura começou depois que conheci Harry Potter. Após  ler o primeiro livro da saga em menos de um dia, pedir o segundo e em seguida devora-lo na mesma velocidade não parei mais de ler. 

Confira a entrevista completa através do LINK

Não deixe de conhecer o site da Revista!


Regeneration



permita-me que eu me apresente, sozinha


eu sou o inverno que morre pouco antes do verão
eu sou a neve que derrete aos primeiros raios de sol
aquela quantidade de sangue que não chega no coração

eu sou a Lua na sua fase escura
o lado sombrio da estrela mais brilhante
Eu Não Sou o que devia ser, eu não venço
minha própria luta

permita-me que eu me apresente, ao seu lado

cada célula do meu corpo encontra a cura
Mas somos feitos de muitas, portanto
o processo é lento
mas não me abato, pois tenho você
ao meu lado

aos poucos, a luz que emana de teu ser
me preenche e me faz viver
me faz querer
os escritos possuem um sentido
eternizar e enfim, eternizo


[Cada ferida é cicatrizada
cada dor é amenizada]

ao seu lado
não me rendo
não hesito
não choro
e se choro
eu sorrio

ao seu lado
 meu corpo, antes, destruído
antes sem vida
antes alterado
se reconstrói, se regenera, se permite
ser amado

ao seu lado
sou livre
sou minha
sou nós dois

ao seu lado
eu sou







Parceria Revista Conexão Literatura

O Estranho Mundo de Thays fechou parceria com a Revista Conexão Literatura. 

É muito interessante e vale a pena a leitura. Em breve, haverá uma entrevista comigo lá '-'

Para saber mais sobre a revisa, inclusive, para acessar à última edição você pode clicar nos links abaixo:

Edição Agosto/2016

























Site Conexão Literatura


Pills

"Por que obrigam-me a cobrir o rosto com falsos adornos, com pós e cremes que julgam ser capazes de melhorar aquilo que sou forçada a olhar todos os dias frente ao espelho? Mas talvez tenha eu usado a forma gramatical errada, uma vez que ninguém obriga-me a nada e sim eu mesma. A razão de tal ato desconheço, o que sei apenas é que um reflexo horrendo é o suficiente no dia, olhar-me mais de uma vez seria tortura. Portanto, esforço-me [ em vão ] para encontrar a melhor forma de sair de casa e poupar aqueles que me rodeiam de tal imagem distorcida. 

Por que obrigo-me a comer de menos ou outras coisas demais na esperança de fazer deste envoltório algo belo de se olhar e quem sabe algo divino de se tocar? Mais uma vez, a razão de tal ato desconheço, o que sei apenas é que um reflexo horrendo é o suficiente no dia, olhar-me mais de uma vez seria tortura. 

Por que obrigo-me a passar os olhos em livros e textos que julgam ser capazes de fazer-nos mais próximos de seres humanos importantes e inteligentes quando na verdade mal entendo o que meus olhos leem e levam a meu cérebro cansado e mal formado, logo, incapaz da compreensão de tais palavras e conceitos?

Quando canso-me de tantas dores, de olhar os outros, de ver a vida correndo, de ver sorrisos que não são meus, de ouvir vozes que não são para mim, forço garganta abaixo um choro alinhado de alguma pilula, mas não se preocupe, não é nada perigoso, mas é o suficiente para manter-me na cama o bastante para que minha mente seja capaz de descansar... ou talvez não, mas é o bastante para que eu não chore solitariamente em meu quarto desprovido da luz do sol... de luz da vida. 

Há pouco tempo aprendi que pequenos cadernos são melhores ouvintes que as pessoas... uma velha amiga me disse, e decidi ouvir. De fato, muitas vezes um bloco de notas parece entender-me melhor que aqueles que uma vez disseram se preocupar. Acontece que a angústia é algo que ou você sente ou você não sabe o que é, logo, tudo o que dizem é que vai passar. Mas há anos que estou esperando passar e ate hoje ela permanece comigo, quase como uma segunda pele, uma sombra... como se fossemos uma só pessoa. 

Queria eu ser capaz de exumar toda essa dor que me impede de caminhar pelas ruas, como a maioria das pessoas, ou mesmo pelos cômodos de minha própria casa. Como um espírito solitário e sombrio em busca de descanso é como me sinto. Mesmo ao lado daqueles que dizem amar-me é como se houvesse uma barreira que me impedisse de acreditar em tais palavras, afinal, como um ser deplorável digno de pena e não de amor poderia receber tal atenção? 

O que querem saber é quanto tempo falta para sucumbir ao abismo negro que consome-me um pouco mais a cada nascer no sol. Perguntam, mas por dentro há aquele sorriso doentio à espera da resposta que não é: está tudo bem. E sim, não ela não existe mais. Cada falso olhar que é dirigido a mim, a nós, a todos eles mas nunca diretamente para minha alma que pede, que grita, naquele quarto, que busca no fundo da gargante ferida pelo próprio choro um auxílio. Mas ele nunca chega. Não há propósito. Não há como ele chegar. São questões sem solução, não há matemática suficiente para resolvê-las. 

A decadência é tão grande que nem mesmo naquilo que um dia, erroneamente é claro, julguei ser capaz de fazer corretamente, hoje percebo que nunca soube. Era tudo uma grande ilusão, uma insistência fútil de tentar vencer, mas tantos outros já haviam vencido, portanto, não haveria lugar para um verme miserável que acreditou ser capaz de ultrapassa-los. 

A felicidade é um conceito relativo. Ela pode estar em todo lugar e em lugar  nenhum. Mas a felicidade de verdade se resume há uma cápsula, um pozinho mágico envolto por um plástico que se desfaz dentro de nós. "

- Harriet A. Croft



Mais uma vez essa mulher expressa os sentimentos melhor que eu, rs


Deixe o rio seguir

Se eu flor
tu és
meu ser
e nós floresceremos

Se tu amas
m(eu) amor
tu és meu (a)mar
e nós nos amaremos
até nos (a)fogar

E a Lua
            sou
E o Sol
           você
tu és também
o doce caminhar

à noite somos
    o Luar
e à tarde brindamos
o nosso próprio
     amar

O chalé é aconchegante
a lareira nos aquece
as árvores dançam com vento
que desce
e não choram com a chuva
que derrete
a vitrola toca o disco; o livro é lido
o café está quente
a casa é sua, meu bem
deixe-me amar-te eternamente?

Farewell Letter

Eu era a Lua
e você era meu Lar
juntos nós éramos
o mais belo Luar


***

"Eu era a pedra no meio do caminho"
a dor do ferido em desatino
eu era a ferida sem corte
eu era o azar que havia na sorte

eu era a mão que joga a pedra
o sangue escorrendo na testa
eu era o fluído que arde e não se estanca
eu era a dança jamais vista, a pele que se arranca

não havia cicatriz no corpo
pois o machucado jamais se curava
não havia sorriso no rosto
pois ela percebeu que ele não a amava

a questão nunca fora o amor
e sim, era sempre a dor
a questão nunca fora amar,
e sim, ser incapaz de perdoar

eu era os olhos do defunto infeliz
eu era a o mal sem raiz
eu não dormia, não comia
eu não podia continuar viva