A vida é mais que um amor perdido

" De que me vale a eternidade
Se a passarei
Para sempre com saudade?

De que me vale a boca
Se não posso lhe beijar
Nem contigo mais falar

De que me valem as mãos
se não posso lhe tocar
como quer o coração?

E de que me vale a vida
se perdi
pelo que valeria viver "

                    - Harriet A. Croft

Utopia



"Minha felicidade não é difícil de ser definida. Ela é facilmente encontrada. Previsivelmente comum de ser descrita.

Ela mora em pequenos objetos que se assemelham a cilindros ou bolas achatadas com um pequeno risco no meio. 

Ela costuma vir em frascos pequenos e pode ser comparada à história dos perfumes: os melhores vêm em frascos pequeninos. E de fato, minha felicidade costuma ser mais quando ela vem em potes menores. 

É um fato triste, se quer saber. 

Claro que esse tipo de felicidade temporária, de fato, não é minha única fonte de alegria, no entanto, é eficaz e causa-me certo desconforto saber que necessito e talvez necessitarei da mesma até o findar de minha simplória vida, mas sim, há outras. 

Um sorriso. Um abraço. Um beijo depois de uma piada que é contada após comentários breves de minha mente desocupada demais para pensar algo útil a maior parte do tempo.

Todavia, nem mesmo essas outras fontes de felicidade que habitam nesse ser glorioso que ouso chamar de Anjo, apesar de não crer no divino, são capazes de manter-me sã e de fato alegre o tempo todo. Infelizmente, a tristeza e a angústia e pior, os questionamentos que imponho a mim mesma perturbam-me ainda quando estou na presença do Anjo.

Esse é um fato tão triste quanto depender dos pequenos objetos que carregam felicidade... O pensamento obscuro que paira em minha cabeça ainda quando me encontro ao lado daquele que me faz sorrir. 

Tento consolar-me através do pensamento de que nada tem a ver com o belo ser, afinal, nada tem mesmo a ver com ele, mas pesa-me a mente pensar que nem sempre sou capaz de seguir de fato bem ao lado dele, em especial, quando o Anjo se esforça tanto para ver-me bem.

Conforto-me também através do pensamento de que um dia, talvez...quem sabe, as lágrimas farão parte da minha vida com menos frequência e que não mais serei um fardo na vida daqueles que me rodeiam e convivem comigo. Porém, é um pensamento que não domina minha mente fraca, pois sei que é uma simplória utopia. 

E é apenas isso. Uma utopia. "

- Harriet A. Croft

Nômade

Sou nômade de minhas vidas passadas que passaram nestes lugares repletos de histórias.

Um Sebo aqui

Uma livraria lá

Uma ou duas bibliotecas acolá

***

Quando entro em tais estabelecimentos sinto uma paz profunda inexplicável. O cheiro nostálgico, mas não antigo em minha vida e sim na dos outros causa-me um efeito que, tentando ser uma domadora de palavras, não consigo encontrar as mesmas para descreve-lo.  

São como minhas igrejas, dispostas para darem-me paz em qualquer canto do mundo. Em silêncio, caminho na direção do próximo objeto que não ouso chamar de consumo, mas de alívio.

Sou uma nômade. Ando nesta vida sem morada certa, pois meu lar são vários lugares. E neles moram várias pessoas, várias histórias que não resisto à olhada. Sou nômade. De vidas e de lugares, de encantos e contos. O que meus olhos veem, meu coração guarda e minha mente me ajuda a jamais esquecer. 

Cada respiração de meu simplório ser se enaltece diante de tais objetos mágicos, feitos pelas mãos do homem, de pessoas... de almas talvez tão sem vida quanto eu, mas que em determinado momento de catárase em sua caminhada rumo ao desconhecido ,conhecido como morte conseguiram, o que até o momento eu fui incapaz... Escrever.

Mas sendo nômade não tenho prazo. E um dia ei de entrar nas igrejas e encontrar meu próprio alívio.


Faixa

Se vou, não sei para onde ir
E se fico não sei porquê fiquei
Se vou e volto não sei onde cheguei
E se tenho todas as respostas, de que me vale o conseguir?

Se é que consigo, o que não sei dizer
E se tempo perco não sei o que fazer
As lágrimas que escondo hoje
Caem amanhã no cair da noite

Os anseios de meu dizimado ser
Os receios que dizia não ter
Tudo se encaixa em uma velha caixa

Há um rótulo nela
Sua faixa
Pode ser lida
Seu nome... vida

26.09.2016


A queda do erro

O que sei é nunca soube de nada
sobre o que é amar e ser amada
O que busco é algo que nunca busquei
aquela paz ao lado de quem amei

Mas mais que o pretérito
quero teu sorriso, presente, certo

Se antes o sentimento era doloroso
hoje é a morfina do corpo todo
através da metamorfose que sofreu
permitiu-me sair, enfim, daquele breu

Permaneço sendo o demônio expulso do céu
mas fui acolhida nos braços
do Anjo Maior
o residente do inferno que é meu coração
banhado em fel

Agora finalmente creio que alguém como eu
pode de fato ser feliz
plenamente
completamente
Mesmo diante de todo o mal que me acometeu

Dizem que o amor nos deixa cegos
e propensos aos erros certos
no entanto, se tem algo que aprendi
é que de amor sou feita e de que fui feita
somente para ti

Não estou cega
não estou errada
Finalmente enxergo o mundo
Vejo a vida, e não temo a estrada




Nova Edição da Revista Conexão Literatura


Mais uma edição super bacana de Conexão Literatura está disponível. 
Nosso destaque de capa ficou para Angela Ramalho, editora da A. R. 
Publisher que completa 1 ano de existência, mas que já possui em seu 
catálogo várias publicações e autores publicados. 

A editora vem incentivando cada vez mais escritores e como sempre estamos observando 
as editoras e autores que estão fazendo um bom trabalho. Confira nas 
páginas da revista a entrevista que fizemos com a guerreira que comanda 
a A. R. Publisher.
O leitor também poderá conferir entrevistas, contos, crônicas e uma 
matéria sobre Teoria da Conspiração, com dicas de filmes e livro. Você pode conferir a nova edição clicando na imagem abaixo!

Dez coisas que eu adoro em você *



Adoro o jeito que fala comigo
e como arruma o cabelo
Adoro como pilota sua moto
e adoro como nunca tem medo

Adoro seus tênis do tipo allstar
e como faz com que eu queria ficar
Eu adoro tanto isso em você
que agora sei o que é apaixonar

Adoro como está sempre certo
e adoro quando é sincero
Adoro como me faz gargalhar
e mais ainda quando me consola quando desabo a chorar

Adoro quando está perto mesmo longe
e fato de sempre me ligar
Mas eu adoro principalmente
poder te amar
mais que tudo
mais que qualquer coisa
amo apenas por te amar


*** Paráfrase do poema feito por Kat a Patrick no filme 10 Coisas que Odeio em Você