Mórbidez.

A respiração arfante diante das palavras lúgubres de minha boca, traz-me de volta a ideia de perdição num âmbito mórbido. Um tênue frêmito: é sua voz atrás de mim. É o que me conforta nessa hora mortiça. Sua sombra de repente torna-te insignia, e subitamente vejo-me soturna, pois ela se afasta sem se despedir. O abismo negro, sombrio e âmago mais uma vez chama meu nome, e dessa vez eu respondo. Não hesito em atender seu pedido, pois agora está tudo perdido.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lupus- Parte I

O último poema de amor

Fade Away