Personalidade.

Não consigo me definir. Sempre mudo. Estou em constante mudança. Não me aceito. Sempre vou me ferir. Pois, sim eu sou assim. Sou uma oposição. Um castelo destruído pelas bombas da minha própria nação. Não consigo me definir. Cada momento quero ser de um jeito. Pois não tenho identidade. Crise existencialista. Perdição. Âmbito mórbido. Sou um ser morto, e por isso busco rostos e personalidades melhores que meu corpo pútrido. Eu sei que são. Você não entende, pois você dentro de você mesmo encontra algo bom, eu...eu encontro mais escuridão. Ouço vozes. Vejo vultos. Ouço ruídos. Vejo mortes. Tenho medo. E faço temer. Não tenho forças, então as roubo dos frágeis seres que se deixam levar pelas minhas palavras amargas. Fui um monstro. Tornei-me um monstro. Sem alma, sem pudor, sou cheia de dor.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lupus- Parte I

O último poema de amor

Fade Away