Súplica

       

                E aquela dor voltara. Mas como ?  E de onde surgira ? Enganei-me ao pensar que a havia enterrado. Soterrado as lágrimas junto às mágoas. Mas não, ela está de volta e parece estar mais forte.
               Puxa-me para teu buraco negro, suga-me as poucas forças que me restam. E o que irei de fazer ? Lutarei ? Mas para quê afinal ? Não sei o meu rumo, o tomei sem reflexão.
               Não sei como ainda perduro aqui. Meu corpo, ele há muito desfaleceu. E minha mente, ó ela esta repleta de pensamentos malignos e vis. Minha mente não me deixa progredir, não sei o que há de errado.
               E como irei lutar contra algo que não posso ver ? Responda-me alguém, tem alguém aí ? Ah, mas é claro que não. Ninguém me escutaria afinal. Por quê se importariam.
              Tanto faz se alcanço objetivos ou se morro no fracasso. Mas...ó esse corpo pútrido internamente força-me a levantar todos os dias, por quê relutas tanto ?
               Seria muito mais fácil jazer em um leito assim como já o fizera há tempos. Lembra-se disso não ? É claro que sim, não há como apagar esse passado.
               Aliás, todos os meus arrependimentos visitam-me ao longo das horas desses meus dias sem glória.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lupus- Parte I

O último poema de amor

Fade Away