A porta



E eu era um caminho sem volta
A dor do desconhecido sem glória
Eu era um fogo apagado
Desejoso de vida, mas não vangloriado
Era uma flor morta
Era a passagem, mas sem porta
E eu era algo que já valeu
Ninguém queria, o todo já morreu
Ninguém lutou, eu não valia
E eu era um caminho sem volta
Perdida nas trevas, fechou-se a comporta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fale comigo, estranho!