6 de janeiro de 2013

Falácia


E ela era tempestade
Forte e sem piedade
Arrastava para si a desgraça
Ela era, uma suja taça

E ela era um enorme trovão
Dava-lhe dor e tirava-lhe a pulsação
E era um rosto de lágrimas
Adormecida em águas plácidas

E ela era um raio de prata
Caminhou entre a falácia
De seu próprio 'eu' ser
E era uma morte que insistia
Em não morrer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fale comigo, estranho!

Pianista (e a ) Sereia - Parte I

O relógio batia quase meia-noite e as ruas de Wuppertal, na Alemanha já estavam iluminadas pelos postes de luz. Os habitantes em suas casas...