18 de março de 2013

Codinome

"Eu morro na sua dor"
Eu caio no abismo do amargor
Eles cavaram minha cova preta
Me mataram com um tiro de escopeta

No meu mal caminho trilhado
O que tanto busquei, jamais encontrado
Não sou o que sou, não sou nada do que era
Meu eu morreu quando o marquei com a fera

A besta que chama meu nome
Meu codinome é o dela, a todos somem
Seu nome é morte, e o meu também
A diferença é que ela leva, eu sou o que vem.

11.03.13 
Leia Mais ►

14 de março de 2013

Ontem - Paráfrase

Parafraseando Carlos Drummond de Andrade - Ontem

Até hoje perplexa
ante o que morreu
e não era a alma

De como este espelho
não manteve minha forma
apenas minha falácia

Nem este corpo
caminha e age
como antes fazia

Tudo foi efêmero
e esquecido
Mas  está gravado

Não no ar, em mim
que por minha vez
escrevo, mas não respiro.
Leia Mais ►

A Pianista (e a) Sereia - Parte II

Camni estava em sua casa antes abandonada e malcuidada, pois a maioria dos moradores do bairro não ousaram entrar na casa após a saída dos ...