Folhas amarelas

 





    O ar fica diferente sabe ? E parece que o sol mudou de lugar ou de resistência. . As folhas das árvores caem uma a uma lentamente, amareladas fazendo um contraste enorme com as verdes ainda firmes no topo da árvore. Você inspira e sabe que voltou, e de repente lembranças da infância mais remota voltam à sua mente é...Incrível. E um filme...Ah um simples filme intensifica essa sensação.
    O cheiro do café. Nossa, como ele traz memórias. Se bem que, já foi comprovado que o olfato é o sentido que mais ativa a memória. Por um instante eu não desejei voltar. Mas era preciso.
    Os livros da estante ainda estavam do mesmo modo como havia deixado. O quarto estava intocado. A noite foi tranquila ainda que tenha se levantado de  madrugada e como de costume parou em frente ao quintal e olhou para o céu estrelado. Como sentiu falta das estrelas. Parece que tinha voltado não para casa, mas para um tempo diferente. Um tempo passado, vivido há anos. Mas tudo bem, a nova vida não era ruim...Era só diferente e acelerada.
    O frio. Sentia frio de forma diferente. O sol aqui esquentava seu corpo  ao contrário do que acontecia lá. Podia sair na rua e senti-lo penetrar no rosto. O vento roçar as bochechas. Um, dois, três suspiros.
E foi assim que se sentiu bem, não que estivesse ruim, mas é outra coisa sabe ? É bom voltar às vezes. Isso nos lembra de onde viemos e porque saímos.




"You tossed a blanket from the bed
You lay upon your back, and waited
You dozed, and watched the night revealing
The thousand sordid images"

-T.S Eliot


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fale comigo, estranho!