Jolly ( 23.01.00 - 13.04.13 )


"Se só me faltassem os outros, vá; um homem consola-se mais ou menos das pessoas* que perde; mais falto eu mesmo, e esta lacuna é tudo." ( Dom Casmurro - Machado de Assis )



Quando cheguei no último sábado (13.4.13) em casa à noite, pouco tempo depois fui ver minha cachorrinha que há tempos estava doente. Com a pouca iluminação do quintal, apenas a observei deitada em sua casinha, não fiz nada e fiquei olhando, com receio de fazer carinho e acordá-la. Quando, segundos depois,  minha mãe chegou e disse para eu não ir ali agora, e eu perguntei Por que Por que, minha mãe apenas balançava a cabeça em negativa pedindo-me para entrar. Foi quando caiu a ficha que minha cachorrinha
( Jolly ) havia morrido. E eu chorei como nunca havia chorado antes, sentada perto dela perguntando a meus pais por que não  disseram-me antes, eu gritava, eu chorava...Eu morria. Disseram que não havia motivos para dizer, que eu nada poderia fazer, que eu só iria entristecer-me mais cedo, e disseram-me que foi à tarde quando voltaram da rua ela já estava morta.

12 anos.

Ela tinha 13 anos e há 12 estava comigo. Há uma semana que ela mal nos reconhecia, mal comia, mal se mexia. No sábado, chorei ao ver que minha mãe tinha que dar comida na seringa para ela, e ela com muito esforço engolia e regurgitava um pouco. Quietinha na sua casinha, nos deixava tocá-la e pegá-la, coisa que antes não fazia por ser de natureza brava. E agora ela só dormia ou ao menos, tentava.

A dor que eu senti e ainda sinto é indescritível .

 A amiga que me ouviu quando eu era criança e ainda adolescente não mais está aqui. A amiga que dividiu comigo momentos alegres e tristes, não mais está aqui. Ainda lembro-me de quando ela chegou em casa. Das nossas brincadeiras. Ainda lembro-me de seu latido ao ouvir estranhos na casa, dos saltos que dava sob o portão quando sentia cheiro de comida, de sua briga com a vassoura e de suas brincadeiras com papel e pano. Lembro-me de levá-la para passear e ela adorava. No 'barrancão', corria e corria, pulava e pulava, atrás de nós e conosco. Alegre, jovem, feliz. E de uns tempos para cá tornou-se tão triste, idosa e doente. E eu não pude fazer nada. Nada. A angústia que eu senti ao vê-la naquele estado só não é pior do que a que sinto agora que ela se foi. Ela estava tão doente que a morte talvez tenha sido um descanso e alívio para ela, mas não para mim. Não para mim.

O mundo ficou sem cor. O mundo ficou sem vida. O mundo ficou sem Jolly.

O que será agora, quando eu voltar para casa e ela não estiver mais lá ? As lembranças ão de vagar em minha mente para sempre. As boas e as recentes ruins.

Toda vez em que eu sorrir por algum motivo, ei de lembrar-me dela e sentir-me-ei triste por estar sorrindo quando fiz tão pouco por ela nos últimos tempos. Sentir-me-ei triste por ela ter ido embora, sozinha.. Eu não estava com ela em seu momento de agonia, no momento em que ela disse adeus. Sozinha.
 ELA ESTAVA SOZINHA!!!
E agora eu estou sozinha, nessa minha dor, nesse meu arrependimento, nessa minha angústia severa que insiste em martirizar-me.

No entanto, esforço-me para pensar nas palavras que uma amiga disse:

"Os animais são anjos que vêm à Terra para cuidar de nós, e quando eles morrem voltam para o céu para cuidar de nós lá de cima."

Mas, nada do que disser irá amenizar o que estou sentindo. Nada. É uma dor horrível que eu não desejaria ao meu inimigo.
O corpo dela frio e duro. Eu tive de enterrar. E o fiz. Em um lugar que ela gostava de ir e brincar. Um lugar bonito, com grama verde e terra fofa e levemente molhada.

Ah Jolly!  Já sentia sua falta e agora sinto ainda mais. Se antes eu nada podia fazer, o fato de que agora definitivamente não posso, é ainda mais horrível. Ainda mais doloroso e ... Não há palavras para descrever. Nem todas as lágrimas do mundo seriam o bastante. Nem toda a dor do mundo é o bastante. Mas estou próxima dela. As imagens de seu corpo frágil rente à realidade que a castigava agora castiga minha mente. Foi tão triste olhar para você naquele momento. E agora continua sendo minha amiga. Queria que pudesse me ouvir. Queria que pudesse estar aqui, bem de novo como no dia em que você chegou em minha vida. Mas você não está. Não mais. E isso é muito ruim de aceitar.

Prometo nunca esquecer de você minha velha amiga. Nunca.

Tudo morre. As árvores morrem, as plantas morrem, as pessoas morrem, os animais morrem. As únicas coisas que não morrem são a dor, o arrependimento e a tristeza.


"With a friend to call my own
I'll never be alone
And you, my friend will see
You've got a friend in me
(You've got a friend in me)"
__ Ben - Michael Jackson


 PS: Logo haverá um vídeo da música Goodbye tema do filme Sempre ao Seu Lado, irei gravar no piano e postarei aqui, em homenagem a Jolly .

* Machado diz pessoas, mas eu usei a frase com o sentido valendo para animais também. Sem Jolly algo me falta e faltando isso não sou eu mesma.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Dê-me sua opinião, ela é muito importante!!!