O cravo e rosa






"Cortem-lhe a cabeça"
Está fazendo tudo errado
Deveria estar feliz
Mas seu coração bate zangado

Os seus infortúnios
Impendo-no de a ela sorrir
Soturno e falso estás
Não acredita o que ela pode pedir

Ele se esconde e não compreende
Ele corre e machuca friamente
Ele cospe palavras amargas
Ele não sabe o que disso ela está farta

Tem sido perverso contra a Inocência
Não a permitiu pedir clemência
Ela estava sozinha e ele pisou
Ele virou as costas e só julgou

Sozinha, sentiu-se infeliz por estar ali
E mais uma vez clamou pelo seu fim
Ela não merecia, mas pediu mesmo assim.

A rosa cortou-lhe a cabeça
O cravo ficou cheio de espinhos
E a rosa morreu no próprio ninho.
                 7.4.13

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lupus- Parte I

O último poema de amor

Fade Away