Grama




                           "É na angústia que o homem toma consciência de sua liberdade". Sartre

    O vento cortava as folhas. As fazia balançar... Suavemente.
Um feixe de luz solar pairou sob meu rosto. Franzindo a testa, virei-me para o outro lado, mas não por abominar o Sol, e sim para deixá-lo tocar o restante de meu corpo. Uma folha desprendeu-se da árvore à frente e pousou no chão de grama. As formigas continuavam seu trabalho, os outros animais continuavam a sua vida. E as pessoas à minha volta ...Tentavam entender. O céu azul mesclado de nuvens brancas transportava paz.
    As folhas há tempos caídas não resistiam ao vento que as levava de um lugar ao outro como se fossem passageiras de várias viagens.
A grama roçava meu braço naquele momento, não hesitei em movê-lo, mas desejaria ser uma simples grama.
    Uma simples grama verde quando tem vida, e uma folha marrom, uma vez morta. O ser humano é tão complicado...Tão complicado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lupus- Parte I

O último poema de amor

Fade Away