8 de agosto de 2013

Sem cor

                 

Arte ingrata! E conquanto, em desalento,
A órbita elipsoidal dos olhos lhe arda,
Busca exteriorizar o pensamento,
Que em suas fronteiras células guarda!

Tarda-lhe a Idéia! A inspiração lhe tarda!
E ei-lo a tremer, rasga o papel, violento
Como o soldado que rasgou a farda
No desespero do último momento
                         (...)
                 [ANJOS, Augusto dos. O martírio do Artista ]

                    Perco o número de vezes em que recorri aos livros, aos autores e seus escritos. Perco a conta de quando as palavras de outros fizeram-se minhas diante da minha incapacidade em escolher as melhores palavras.
                    A arte de escrever, de pintar o papel de negro quando a dor é presente e quem sabe um pouco de amarelo, pinceladas de amarelo quando um pouco de alegria surge, porém pincela-se no papel vermelho, vermelho do sangue escorrido da rosa.
                    A rosa que foi despedaçada, rasgada pelos escritos da minha mão tosca que eu forço a colorir minha inútil vida através do papel pardo e do lápis usado.
                    O lápis gasto que encontro no fundo oco de meu 'pseudocoração', minha mente perturbada, no entanto, recusa-se a pensar, mas eu a forço novamente a me deixar sonhar.
                   Mais uma vez, porém, o espelho quebra diante de minha imagem corrupta, mas eu me desenho da melhor forma através dos escritos...através dos escritos.
                   Mas  forma alguma , alguém enxerga.
                   Sou invisível a todos os olhos, os bons e os ruins. O que veem eu não vejo e o que vejo não entendem. Não tenho cor ou espírito, sou um nada pintado de branco, sou um nada pintado de branco, mas ei de ser treva e eles verão minha escuridão. Eu os farei ver.
                   Ainda clamarão e lastimarão, o estandarte caiu, mas eu o ergui novamente, o fiz bandeira da minha cova, mas ela é sua também.

Um comentário:

  1. Olá! Gostei bastante do texto... Senti que você pôs nele um pedaço de sua própria alma. Eu entendo o que é escrever para livrar-se de sentimentos, tentar colocar sua própria imagem numa folha de papel... O problema é que acaba viciando, né? haha'

    Parabéns pelo texto [:
    Vou seguir seu blog

    ResponderExcluir

Fale comigo, estranho!

Mutter

Queria eu ser capaz de encontrar palavras melhores que pudessem expressar meu amor sagaz Ainda com meu título de escritora carrego no...