2 de outubro de 2013

Moça

Moça, de corpo esculpido
De mente aberta e feliz
Moça, bonita e perfeita
não faz nenhuma desfeita
E sorri
A moça que eu vi
mais bonita não há

Com longas madeixas
negras, como as inscrições
no seu corpo branco
Moça, de olhos verdes
e boca pequena

A mão move lenta
a página do livro
faz virar, o que  faz viver
Moça, tão linda e perfeita
que eu nunca quis ser.


Um comentário:

Fale comigo, estranho!

Pianista (e a ) Sereia - Parte I

O relógio batia quase meia-noite e as ruas de Wuppertal, na Alemanha já estavam iluminadas pelos postes de luz. Os habitantes em suas casas...