Sobre a felicidade




É bem mais fácil ser triste. Tentar ser feliz o tempo exige muito esforço de nós. 

Deixar a tristeza te domar é tão mais prático, uma vez que ela chega silenciosa e toma conta do seu corpo e mente de uma forma tão simples. Ao contrário da felicidade que insiste em se esconder de nós, nos força a correr atrás dela. E quando a encontramos ela parece não querer parar na nossa mão, fica oscilando entre ir e ficar. Ela nos poda, nos cansa ao invés de nos extasiar. Felicidade que de feliz nada tem. 

O curioso é : justamente a Felicidade que é muitas vezes o motivo de tantos desprazes na vida do ser humano. A sociedade criou os parâmetros da felicidade e os humanos ingênuos insistem em segui-los. Logo, era de se esperar que cedo ou tarde tantas angústias seriam o final de antes começos inocentes em busca da vangloriada felicidade. 

E não adianta tentar ser o melhor dizendo que é feliz de verdade. Acredito que ninguém é, de fato. 
E eu não compreendo como conseguimos dar continuidade a tudo dessa forma. Nos enganando, nos iludindo. A desculpa que usam é a de que a felicidade é relativa e defini-la é complicado demais e talvez até impossível. Besteira. O fato é, não querem encarar a verdade de que essa tal de felicidade foi inventada para que as tristezas da vida pudessem ser amenizadas, digo, mascaradas.

É bem mais fácil ser triste. Muitas vezes... bem mais bonito. Gente feliz não é bonito. Ao menos, não para quem olha de fora. A tristeza pode não ser bela em sua essência, mas de alguma forma ela é... curiosa, ela é ... instigante, sabe ? A tristeza te força a querer saber o motivo dela. Ao menos, para quem está de fora. 

Entende o que estou querendo dizer ? A incoerência que há entre esses dois opostos simples ? Feliz é aquele que sabe a hora de ser triste. Logo, a todo momento. Não acho certo procurarmos formas de colorir o mundo quando ele nasceu cinza e cresceu preto.

A felicidade é tão egoísta e mesquinha. Ela não se permite doar, ela não aceita ser dos outros. E é tão arrogante e autosuficiente, além de ser egocêntrica ao se achar tão importante e tão mais que os outros que não se deixa fazer parte da vida de ninguém, pois nos julga inferiores. 

A tristeza não. A tristeza é simples, solidária e amarga, mas se deixa provar. Ela é doável, se permite fazer parte de nossas vidas sem contestar nada. Sem hesitar ela gosta de entrar. A tristeza não se diz superior a nada, de modo que ela aceita qualquer um. Ela não é autosuficiente, pois precisa de nós. A tristeza não é arrogante, acolhe a todos sem parcialidade.

Ou seja, a tristeza é simples demais para competir com a felicidade, a felicidade é complicada demais para se deixar domar. Logo, ser feliz é cansativo.








4 comentários:

  1. Oi tudo bom? vim te dizer que eu te indiquei a um selinho!
    http://apenasapaixonadaporlivros.blogspot.com.br/2013/10/selo-versatile-blogger-award.html

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, tudo bem e contigo ? Muito obrigada pela indicação. Fico muito feliz *-*

      Excluir
  2. Verdade, tudo verdade resumiu esse ano da minha vida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahaha, isso acontece várias vezes quando leio seus poemas e você sabe!! kk que bom, fico feliz que tenha gostado do texto *---*

      Excluir

Dê-me sua opinião, ela é muito importante!!!