25 de junho de 2014

5 Anos sem o Rei do Pop

Pensar que eu jamais terei a chance de ir a um show do Michael é motivo suficiente para me deixar na cama por dias. Hoje, em seu aniversário de morte de cinco anos meu ''coração'' está mais pesado e triste que nunca. Não irei falar de coisas comuns do tipo infância de Michael ou sua vida depois da fama.   Não vou falar as mudanças que Michael sofreu ao longo da vida ( pele, nariz, corpo ) nem como ele tratava seus filhos  em público ( com máscaras  ) essas coisas que a mídia já fez há cinco anos. Tenho minha opinião a respeito de cada um desses assuntos e outros.

Esse texto é pra mim e pra quem é fã e sente o mesmo que eu hoje ainda mais que ontem:  Saudade.



Michael Jackson não foi um simples cantor, ator,dançarino e compositor. Michael foi uma pessoa incrível, especial, bondosa que apesar de tudo o que passou continuou fazendo o que ama da melhor maneira possível. Michael Jackson era um ''anjo'' . Nosso Peter Pan. Estou triste demais de modo que não estou conseguindo escrever da forma como gostaria de me expressar a respeito dele, digo tudo o que sinto quando se trata de Michael Jackson.

Sei apenas que jamais irei esquecer o dia que vi a notícia na televisão de sua morte. Eu estava saindo para um compromisso importante, logo não pude deitar a cabeça no travesseiro e chorar como uma criança que perde a mãe além de pedir com todas as forças que aquilo não fosse verdade. Eu li e ouvi a notícia em silêncio. Mas por dentro eu gritava e chorava. Não podia estar acontecendo.

É diferente de outros ídolos que hoje não mais vivem, mas que eu admiro e gosto, pois estes morreram muito tempo antes de eu nascer ou mesmo de eu vir a conhecê-los. Michael Jackson fez parte da minha infância e eu presenciei a notícia de seu adeus. É algo muito ruim. Perder uma pessoa que, tudo bem, não fazia ideia da minha existência, mas os fãs conhecem esse meu sentimento. Era como se nós conhecemos Michael, e no fim tínhamos a esperança de um dia de fato conhecê-lo pessoalmente, digo, ir a um show e admirar sua arte de perto.

De qualquer forma eu quis morrer naquele dia. A semana seguinte foi ainda pior. Parece que as pessoas conheceram mais de Michael depois de sua morte. era notícia pra todo lado. Mas em geral eram notícias polêmicas de sua vida. Como se não bastasse as calúnias ditas quando ele estava vivo muito ainda foi dito depois do anúncio de sua morte.

O funeral. Teria sido ainda mais lindo se o corpo que estivessem velando não fosse do Rei do Pop.

Quando penso em tudo o que aconteceu com ele ao longo de sua breve vida eu fico triste. Foram tantas injustiças para com uma pessoa tão boa como ele! Gente, não faz sentido isso pra mim ! Como as pessoas podem ser ruins e interesseiras. E eu ainda me lembro que sonhava em ir para Neverland. Sempre me identifiquei com o Michael, pois assim como ele gostava ( e ainda gosto ) demais do Peter Pan. Era algo que eu gostava de dizer que tinha em comum com ele.

E nossa! É até difícil expressar de forma clara o que sinto quando penso em Michael Jackson. Quantas e quantas vezes eu fiquei triste e com raiva e bastou uma ou duas músicas dele, ouvir sua voz, ver seus vídeos e ouvir sua risada para que eu ficasse bem de novo ! Já perdi a conta.

Não há um dia sequer que eu não pense nele. Pode ser que eu não fique falando para as pessoas sobre ele, ou fique ouvindo suas músicas 24horas por dia, mas sempre, em algum momento do dia o nome Michael Jackson vem à minha cabeça. É então que fico indecisa entre sorrir ou chorar. Sorrir por pensar na pessoa incrível que ele foi em todos os sentidos ou chorar por pensar que ele não mais vive, não mais traz alegria a esse mundo vil.

Esse é um texto bem pessoal mesmo, percebe-se, e sei lá, não estou conseguindo escrever direito, não encontro as melhores palavras. Posso estar sorrindo nesse dia ''comum'' , mas eu garanto que a noite será difícil. E garanto que por dentro meu ''coração'' está em pedaços. Fico acompanhando as postagens dos fãs, suas homenagens e penso: Cara, tem gente como eu nesse mundo! E fico momentaneamente feliz, pois sinto que posso dividir minha dor.

Gente, só quem é fã de verdade mesmo entedenrá esse texto. Muitos lerão e dirão que sou idiota por chorar por uma pessoa que nunca soube quem sou, por ficar triste por um cara como ele ( na visão de muitos um pedófilo entre outras coisas ) idiota quem é dessa opinião !

É como perder um amigo ou parente distante, mas que você se comunicava todos os dias, pois era isso que acontecia com nós os fãs. A cada dia que ouvíamos uma música, víamos um vídeo, assistimos a entrevistas e esperávamos por uma turnê ou show. Nós conversávamos com Michael todos os dias. E agora tudo o que nos restam são lembranças. Tudo o que resta são tristezas.

As homenagens nos fazem lembrar hoje mais do que nos outros dias, mas os fãs sabem a dor de todo dia que é pensar que ele se foi há cinco anos!

Às vezes, me pego pensando como muitos ... que ele está vivo escondido por aí, penso como os 'Believes' que é como são chamados. Mas aí eu penso, mas por que, Michael ? Você faria isso concosco ? Nos abandonar assim ? Por que não volta logo e nos permite sonhar novamente ?

Michael Jackson pode ter dito adeus há cinco anos, mas sua arte viverá para sempre e isso faz dele a Lenda. Nós jamais vamos esquecer e jamais existirá alguém tão talentoso como ele, tão especial como ele foi. Será o nosso eterno Peter Pan. O nosso eterno Rei do Pop

É isso.


Leia Mais ►

7 de junho de 2014

Identidade


Procuras em outros rostos o que não enxergas no teu
errôneo és, e por saberes disso insiste nesta busca
Procuras em outros corpos o que não é próprio do teu  'eu'
e por saberes disso, buscas, sem saber que isso te ofusca

Não tens uma identidade, portanto, queres a dos outros roubar
Mas nunca consegue, é claro, pois é algo intocável
No entanto, de espelhos sobrevives, e não aprende a se amar
E no final sabes o que resta, o que resta é lamentável

Todos os esforços são em vão, sim
Não adianta chorar ou gritar
Cavou uma sepultura, deu-se um fim

x

Tenho dentro de mim um alheamento tolo
E bastaria uma única descida rumo aos juncos
Para fazer-me crer que eu nasci para um desgosto
E no final não é necessário, pois meus  abismos são mais fundos

Cria eu na falácia de minha pessoa futrica
cria em uma palavra de fúria
Tão soturna e escura quanto a noite
mal sabia que eu era a causa de meu açoite

E agora nem papéis me são úteis
procuro em outros o que não vejo em mim
e já cansei dessas assertivas, são todas fúteis


No final era uma tola oposição
cansada. mutilada. solitária e sem nada
destruída pelas bombas da própria nação


Não há uma definição certa, tão pouco correta
E nessa parvoíce me perco, sem nunca ter encontrado
uma única peça


Não entendes não é ? Não há meios para tal ato
o que sei é que nada é
quanto a mim, quanto ao que fui, de fato


As mãos que nada constroem
A boca que nada diz
e quando o faz se contradiz
um corpo que não é meu
uma mente que não me descansa
as pernas que não caminham
e um coração perdido na própria dança


O que digo é apenas uma afirmação
nada do que sou me pertence
nada do que fui é real, sou toda escuridão
o que vejo é uma música que nunca foi tocada
um sono que nunca foi embalado
um olhar esquecido, uma alma jamais amada


Todos esses nunca fazem parte de mim por completo
é a perfeita disparidade
um paradoxo maravilhoso
cheia de adversidade
sou oposto do meu próprio eu
nada valeria nem se apagasse todo esse breu
e por isso nada encontro
em mim
e nos outros
e nada é
faz sentido ou foi muito pouco
a identidade que nunca foi minha
mas não bastou ser do outro.





PS: Levei séculos para terminar esse poema, mas precisava terminar agora. Os primeiros versos foram fáceis de compor, mas os seguintes formavam-se na minha cabeça, mas na hora de escrever simplesmente não pareciam transmitir a mensagem que eu queria. Ainda não sei se o poema ficou como eu gostaria que ficasse, mas está aí rs















Leia Mais ►

A Pianista (e a) Sereia - Parte II

Camni estava em sua casa antes abandonada e malcuidada, pois a maioria dos moradores do bairro não ousaram entrar na casa após a saída dos ...