Blut - Parte II



Você pode ler a parte I AQUI

***

Kira voltava para casa depois de sua aula à noite como de costume. Sozinho. Atravessou um dos becos que dava acesso à rua de sua casa de forma mais rápida, mas ele caminhava lentamente. Àquela hora da noite, naquele lugar era de se esperar que qualquer ser humano são se fosse obrigado a atravessar aquele beco por vezes cenário de crime, andaria bem mais depressa que os passos lentos e vagarosos de Kira.

Mas ele não tinha o que temer.

Isto é.... a única criatura que ele poderia temer era exatamente a que ele desejava encontrar.

Alessa.

Uma vampira sanguinária e cruel, mas que por alguma razão absurdamente desconhecida se afeiçoara por Kira e decidiu não mata-lo, pelo menos, não imediatamente. Quando o relógio no pulso dele marcou meia-noite, Alessa surgiu do breu que escondia o final do beco, sorridente e com a boca levemente vermelha, mas não de batom. Foi em direção a Kira que estava sorrindo também, e de braços abertos para receber sua amante.

Alessa apertou Kira. Depois de se aconchegar entre seus braços fortes e maiores que os dela, mas não tão cheios da força sobrenatural que um vampiro possui, no entanto, Alessa não precisou utilizar da mesma. 

- Olá. - disse ela depois de beijar Kira tão apaixonada e vorazmente que poderia se dizer que ela estava mesmo apaixonada por ele, mas é claro que isso jamais poderia acontecer. Uma vampira tão maléfica quanto Alessa nunca se comprometeria amorosamente com qualquer criatura que dirá um mero mortal, um simples humano.

- Estava com saudade. - respondeu Kira, sorrindo e passando o braço na cintura de Alessa.
- Não faz mais que seis horas. - disse Alessa colocando o cabelo para trás da orelha esquerda.
- Estava mesmo assim. Dormiu bem durante o dia?
- Não exatamente. Tive que lidar com alguns problemas na Mansão.
- Que tipo de problemas?
- Digamos que estão tentando criar problemas comigo.
- Achei que você fosse uma espécie de rainha lá.
- Ainda não, mas serei.

A Mansão era o local de moradia e também reunião dos vampiros da região Leste dos Estados Unidos. Era, de certa forma, comandada por um vampiro milenar chamado Pio ( lê-se paio ) cujas ordens eram jamais questionadas e o simples timbre de sua voz levemente mais alto era suficiente para fazer o mais corajoso vampiro tremer. Todos na casa o temiam, o respeitavam e alguns o amavam, de fato, as mulheres se incluíam nessa última categoria, afinal, a beleza de Pio era inegável.

Desceram do porshe de Alessa, mas ela pediu que Kira esperasse ali fora, de preferência perto do carro.

- Espere aqui. Preciso verificar quem está no Grande Salão e se Pio está presente. Se ele estiver fará perguntas sobre você as quais não estou no clima para responder.
- Está bem. - concordou Kira e a puxou pela cintura para dar-lhe um beijo com verocidade. Alessa não hesitou e sorriu, mostrando os dentes brancos, mas que em seguida ficaram vermelhos, pois ela proferiu uma mordida, ainda que de leve, no pescoço de Kira.

Já acostumado com a dor e a sensação, dessa vez Kira nem se contorceu ou algo do tipo, pelo contrário, deleitou-se de prazer.  Junto de Alessa ele conseguiu sentir pela primeira vez a gloriosa sensação de ser mordido por um ser das trevas.

Alessa, com certo esforço, desvencilhou-se de Kira, abriu o grande portão que separava o Jardim Sereno da rua e da Mansão. Caminhou lentamente. O vento frio cortando sua bochechas brancas como mármore, seu coturno preto arrastando a terra vermelha que havia na curta estrada que dava caminho até a porta do Grande Salão. Uma vez de frente para a porta Alessa a empurrou, era grande grossa e adornada com várias artes, mas ela sendo forte não teve esforço algum. Assim que entrou dois vampiros a encararam. Outros três que estavam se alimentando de um humano qualquer ao fundo do Grande Salão pararam o que estavam fazendo. Limparam a boca com as costas da mão e sorriram para Alessa, mas foi um sorriso maligno, eles sabiam que ela poderia estar com problemas, uma vez que estava saindo demais da Mansão sem pedir autorização de Pio.

- O que é que os patetas estão olhando?
- Oras, Alessa. Você sabe que está encrencada. - disse uma vampira, loira com adornos verdes no cabelo enrolado que batia na sua cintura. Seus olhos negros estavam brilhando de satisfação pelo possível castigo que Alessa teria. Lore era o nome dela e ela parecia ter o mesmo objetivo de Alessa - tornar-se rainha, a diferença que Lore estava disposta a ser a amante número de Pio, enquanto Alessa nem sequer cogitou essa opção.
- Encrencada estará você se não sair da sala agora, Lore. Vamos vocês todos! - disse, rosnando e mostrando os dentes sujos do sangue de Kira.
- Você não manda aqui, Alessa.
- Quer ver quem é que manda, Lore? - e Alessa avançou, mas Lore foi rápida e era esperta  o bastante para não enfrente Alessa sozinha, que 100 anos mais velha que ela poderia facilmente destroçar seu corpo delineado e desenhado.
- Está bem. Vamos todos. - disse Lore, enfurecida, mas de cabeça baixa.

Em seguida, todos os presentes na sala saíram e foram para seus quartos. Alguns subiram a grande escada que dava acesso ao primeiro andar e outros pegaram o elevador. Alessa estava sozinha na sala. Mas correu velozmente para buscar Kira.  No entanto, chegando no porshe ele não estava lá.

- Droga, Kira. Mandei ficar aqui.  - pestanejou Alessa.

Mas em seguida, seu olfato sentiu cheiro de sangue fresco. O sangue de Kira. Seu coração disparou imediatamente e ela foi na direção do cheiro. Dentro das fortalezas da mansão, em uma pequena mesa de mármore que ficava não muito afastada da Grande Mansão, havia a mensagem:

 " ele me pertence agora "

Com o sangue de Kira, ela sentiu. Mas quem haveria deixado a mensagem Alessa não fazia ideia. Seu coração antes gelado agora batia fortemente, pois haviam sequestrado alguém que poderia ser o grande amor de sua vida, uma vida regada a assassinatos, furtos, tortura e dor. Uma vida que jamais conhecera o amor, pela primeira vez Alessa havia se permitido aproximar de alguém, mas Kira era apenas um humano e não poderia se defender

Restou a Alessa descobrir quem sequestrara Kira. De todas as suas qualidades,vingança sempre fora, deveras, a melhor dela.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fale comigo, estranho!