Valhala

A destreza de suas mãos que marcam meu corpo
Eu me entrego, claro, sem esforço
Seu corpo desenhado e marcado
Não hesito em tocar
E lhe permito entrar
A respiração quase para
O sorriso marca
Suas mãos caminham
E nossos laços não findam
Em Valhala ainda nos encontraremos
e junto dos deuses beberemos
Nossa marca aqui há de ficar
como em nossos corpos
uma vez mesclados
extasiados
E assim me despeço
mas antes lhe peço
não esqueças de mim, guerreiro
a eterna valquíria você cativou
com seu machado certeiro

o coração bate morto
mas Odin há de abençoar
um reencontro na sua mesa
e quem sabe mais uma vez juntos
iremos de ficar


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lupus- Parte I

O último poema de amor

Fade Away