Sobre a efemeridade, parte II

Você não permite que as pessoas se apaixonem. 

Por que está aqui? Como chegou? Por que continua?

Desconheço a razão para tanto esforço.

" A morte é fácil, díficil é viver" .

Por que me obrigam a isso? Vocês são egoístas, pois não pensam no quanto estamos doloridos, só nos querem por perto. Para suprir a falta de vocês, jamais a nossa. Estamos sofrendo. E vocês fingem que querem nos ajudar, mas não é por nós e sim porque são incapazes de seguir suas vidas sem nossa presença falha. Mas nem ao menos tentaram.

***

O vazio existencial, a dor marcial, o sofrimento interno que se debulha em meus olhos cansados e caídos. Minhas mãos teclam palavras, e com o lápis rabisco coisas sem sentido no meu diário. No final do dia, deito minha cabeça no travesseiro e fito o teto branco de meu quarto.

Um quarto manchado pelas minhas lágrimas diárias que se mantém escondidas. Um  quarto surdo dos meus gritos silenciosos a  cada madrugada.  Um quarto cego, pois furou os próprios olhos quando percebeu que seria obrigado a me ver todos os dias.

À meia-noite ainda estou cansada mesmo tendo passado o dia todo deitada, pois fui incapaz de fazer algo útil. Estou quase me fundindo à cama, levanto-me apenas para atividades básicas e para inserir mais alimento neste envoltório sem valor. Assim como meus feitos ele nada vale, e eu insisto em tentar algo novo a cada dia para oferecer a vocês mais tempo.


"A decadência é tão grande que nem mesmo naquilo que um dia, erroneamente é claro, julguei ser capaz de fazer corretamente, hoje percebo que nunca soube. Era tudo uma grande ilusão, uma insistência fútil de tentar vencer, mas tantos outros já haviam vencido, portanto, não haveria lugar para um verme miserável que acreditou ser capaz de ultrapassa-los. "

O que me consola é a efemeridade do tempo e da vida. Logo, serei apenas pó, não como aqueles que forço garganta abaixo na esperança de um sorriso mais duradouro ao longo do dia. 

***

Eu me ofereci a você, eu tentei de todas as formas possíveis ser suficiente, mas não fui. Eu nunca sou. Todos se cansam, e vão embora. Você nem ao menos chegou a ficar. Fingiu, no início, que poderia ser, mas não foi.



Alles gute zum geburtstag, Thays


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fale comigo, estranho!