10 de novembro de 2017

Abscondere

As palavas que saem de minhas mãos
possuem como destino todo e qualquer coração
mas principalmente buscam os poetas
que não puderam escrever e me deixaram essa tarefa

as palavras fazem sua própria música dentro
de meus poemas
e a cada nova poesia
dentro de mim é composta
nova melodia

Grito em silêncio as borboletas coloridas de meu corpo
a cada rabiscar de lápis no papel amassado
encontro outra razão para não deixar meu espírito morto

no papel eu me refaço, me encontro, eu nasço

ainda que tremendo eu escrevo, não me rendo
atrás dos livros me escondo
mas através da escrita
eu me exponho!


07.11



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fale comigo, estranho!

Joy

faço um exorcismo todos os dias (...) respiro e encaro meus demônios eles me sorriem como a morte e então, vez ou outra me en...