11 de novembro de 2017

Elevator

me agarra no elevador
me beija vorazmente
não resisto, não luto
era aquilo que queria
meu espírito demente

e torce meu cabelo entre as mãos
e inclina minha cabeça em direção ao chão
nossas respirações entrecortadas
se estamos abaixo ou acima
antes estávamos nas escadas

o prédio dorme
nosso desejo nos consome
você me despe no elevador
não hesito, não há pudor

como você queria eu também sentia
mas ah que pena!
diante de todo aquele calor
eu não quis seu corpo
queria apenas seu amor

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fale comigo, estranho!

Pianista (e a ) Sereia - Parte I

O relógio batia quase meia-noite e as ruas de Wuppertal, na Alemanha já estavam iluminadas pelos postes de luz. Os habitantes em suas casas...