3 de novembro de 2018

Evoluir dói

não sei ao certo como começar esse texto. espero que um dia acorde como eu. é doloroso, parece que seus olhos vão se afogar nas próprias lágrimas. e junto deles morre seu coração. você quer sentir, mas algo impede. ele bate. tum tum tum. mas não sente. é como se você absorvesse a dor do outro por completo e a guardasse em si mesmo. suas dores as confortam. mas então um belo dia você explode. e se encontra na cama às seis da manhã chorando, aparentemente, sem motivo. rostos surgem na sua mente de Nárnia. você derrama mais lágrimas. mas olha de olhos fechados para o céu e pede uma libertação, um sim, um seja feliz, um é agora, um alívio.  e enquanto seus olhos fazem cachoeira seus lábios formam um sorriso. respira fundo e solta pela boca um refúgio. o som do fundo parece fazer harmonia.
1
2
3

Namastê


Leia Mais ►

29 de outubro de 2018

Resistência

Foi nos tirado o direito de ir e vir
e agora, para onde vamos fugir?
O fascismo ganha força
mas meu santo é forte
nos desejem sorte!
eu vou lutar
nós somos resistência
lutaremos por nossa existência
Não existirá oposição
mas vamos fazer uma revolução!
Se quiserem nos calar,
terão de nos matar.
"Ditadura nunca mais"
e você que elegeu o monstro
que chore ao ouvir de seus amigos
seus mais dolorosos ais
Existir é resistir
E meu "luto é verbo"
Essa dor e esse medo vão passar
Só não passa meu desgosto e decepção
por aquele que ao votar
escolher a mim e meus amigos
matar...


Leia Mais ►

15 de outubro de 2018

A Pianista (e a) Sereia - Parte II

Camni estava em sua casa antes abandonada e malcuidada, pois a maioria dos moradores do bairro não ousaram entrar na casa após a saída dos antigos moradores.

Era uma manhã fria e Camni se encolhia no sofá junto de seu café quente e um livro de bolso. O vento lá fora fez com que um dos galhos caísse e atingisse sua janela, mas a mesma não quebrou apenas fez com que Camni olhasse furtivamente, pois temeu ser algum curioso tentando infiltrar um olhar dentro de sua casa.

Os resquícios do jovem de olhos azuis ainda poderiam ser vistos pelos olhares mais atentos. Algumas poucas gotas de sangue próximas do piano de cauda que dava vida à monótona e sem vitalidade sala da casa até então esquecida e abandonada.

Mas não mais que poucas gotas, pois até mesmo as roupas que ele estava usando tiveram um fim bastante conhecido pelas casas de cremação. No fundo de sua casa Camni tratou de construir o que até então, supostamente, deveria ser espaço próprio para churrasco. Uma casinha toda de tijolos com espaço para fogo e carvão no fundo. Todavia, ela jamais queimou carne de algum animal ali... a menos que estejamos falando do animal homem. Claro que ela sempre preferiu suas vítimas ainda com as veias e órgãos pulsando, portanto, a suposta churrasqueira tinha mais utilidades para as roupas e sapatos daqueles que tinham a má sorte de ouvir sua música.

Exatamente. Era com as notas chorosas e melancólicas que ela atraía suas vítimas. Camni era uma espécie de feiticeira... não há muitas delas no mundo, portanto, pouco se sabe sobre tais criaturas. O que nos importa no momento é que mais um garoto foi vítima dela. Ela se mudava de tempos em tempos quando achava que poderia começar a levantar suspeitas. Afinal, uma jovem de beleza descomunal e voz e talento ainda mais incomuns que se muda para qualquer cidade e de repente jovens até então saudáveis e com a vida toda pela frente começam a morrer. é algo que muitas pessoas poderiam achar, de fato, estranho.

***

Conforme os dias se passaram as pessoas continuavam a comentar a morte do garoto. Quer dizer, desaparecimento, já que corpo algum fora encontrado. Camni era ainda menos vista. Não se importou em levantar suspeitas, pois sabia que iria embora antes que qualquer tipo de investigação pudesse ser feita. Ela só precisava de mais duas vítimas.

Os dias se passaram e ao que pareceu ninguém deu realmente parte do desaparecimento do garoto, logo, Camni ficou mais tranquila a respeito de sua futura mudança e isso lhe deu mais tempo para trabalhar em outra música que pudesse encantar algum jovem perdido às proximidades de sua casa.

Naquela tarde de quinta-feira, Camni entoava tons menores, melancólicos como somente Chopin sabia fazer... sua favorita, Notucturno em D menor. Seu corpo se permia embalar, seus olhos fechados, sua mente em qualquer outro lugar que não fosse a Alemanha.

Abriu os grandes olhos azuis quando ouviu alguém se aproximar de sua casa. Era um  jovem muito bem aparentado, como a grande maioria, os cabelos loiros caíam sob os olhos da cor do céu limpo. Os braços eram fortes, visto que pareciam querer saltar à camisa. Ele tinha nas mãos alguns panfletos, mas da distância de Camni era impossível ver sobre o que se tratavam. O rapaz chamou novamente e Camni pareceu sair do transe ao qual se encontrava, visto que não se mexia enquanto o rapaz pairava em frente sua bela casa.

Assim que voltou a si, Camni rumou para a porta e em então para o portão onde o jovem se encontrava. Ela trajava não mais que uma camisola nada adequada para a situação, todavia, nada explítcito... era tão perfeita a situação que poderíamos pensar que fora tudo combinado. Mas não. Por mais incrível que pareça esse evento Camni não pode prever, e foi então que ao aproximar-se o suficiente para sentir o cheiro do perfume do jovem alto e forte que a esperava no seu portão que ela soube que o impossível... finalmente aconteceu.

Fitou-lhe os olhos uma única vez. Seu coração pela primeira vez ficou quente. E então, a Sereia se apaixonou.


Leia Mais ►

12 de outubro de 2018

falha

Falha eterna em minha vida
seccionada e contínua
pois continua aqui
mas (mais) partida
distribuída
mal doída
(...)
Foi-se completa demais em um mundo que veio pela metade

Leia Mais ►

Odin - Parte II

- Como assim filho de Odin, voz maluca? Primeiro que se deuses existissem todo mundo sabe que os nórdicos não tinham fihos com humanos.

- Não discuta. Apenas aceite seu destino.

- Não tem essa de destino. Meu pai abandonou minha mãe e eu quando eu era criança. Ela nos criou sozinha.

- Essa é a história que lhe foi contada, Ethan Crawford, mas você de fato é um semideus nórdico, filho do grande Deus Odin e está destinado a colocar um fim à vida de Skuld e assim impedindo que seu objetivo maligno de exterminação da raça humana se concretize.

- Eu já disse que não vou matar ninguém. Ainda mais uma entidade que deve ser mega poderosa.

- Mas você também é, meu caro.

- Olha, eu faço isso ou aquilo. Me viro. Dou meu jeito. Mas não possuo poder algum.

- Ethan, não tenho mais tempo para qualquer explicação. A missão foi dada e você será chamado cedo ou tarde para cumpri-la. Você não tem escolha. Agora, adeus.

- Some, sua voz doida! - esbravejou Ethan com raiva.





***

No dia seguinte Ethan acordou cansado, como se tivesse treinado muito ou trabalhado demais, mas não havia feito nenhuma das duas coisas. Fez alguns alongamentos, tomou seu café sem açúcar e partiu para correr como fazia todos os dias às sete da manhã. Com seus fones de ouvido e celular no bolso, quando corria não pensava em mais nada. Mas dessa vez ele tinha algo muito fora do comum para pensar. Se ele fosse mesmo filho de Odin quais outras obrigações teria além da suposta missão dada por uma voz que parecia vir do submundo das trevas? Seus pensamentos voaram longe nessa questão.

De qualquer forma, seus pensamentos foram forçados a se voltarem para os meninos que moravam com ele. Não vira nenhum nem outro na noite passada. Não se importou. No momento tinha coisas mais importantes para se preocupar, como por exemplo, ser supostamente filho do maior deus nórdico, Odin.

Era estranho, pois nunca se soube de filhos dos deuses nórdicos com humanos. Havia uma lei que impedia isso, de acordo com a mitologia nórdica. Mas se a suposta voz estivesse, de fato, certa então Ethan seria um poderoso semi-deus com uma missão quase impossível: matar uma espécie de semideusa, Skuld - a descendente da primeira Valkíria.


Ethan admitia que coisas estranhas aconteciam com ele, em sua vida. Ele supostamente era mais forte do que deveria, até mesmo para um jovem de 24 anos amante de academia. Várias foram as vezes que sua força foi posta à prova. Além disso, Ethan trabalha como garçom porque queria, pois era inteligente demais para não focar em uma faculdade, quer dizer, mais de uma. Sim, ele possuía duas graduações antes dos 25. Segundo ele, gostava de ouvir os desabafos das pessoas e como garçom ele tinha passe livre para qualquer bebida. E isso era motivo o bastante para mantê-lo no emprego.


A noite chegara e com ela o expediente de Ethan no bar Chateu. Às oito da noite ele já trajava seu uniforme e estava limpando algumas mesas. Aos poucos, as pessoas começaram a chegar e se sentar. Outras ficavam em pé no balcão, e poucas dançando na pista. A música hora mais agitada hora mais lenta. Ethan serviu dois casais e um grupo de amigos, e então não tendo mais a quem atender recostou-se no balcão e pediu uma dose de Whisky a seu parcero de trabalho John que sorriu, mas sabia da competência de Ethan e logo entregou-lhe um copo com a bebida.


Ethan acenou com a cabeça um obrigado e bebericou seu Jack Daniel's até que seus olhos fitaram uma pessoa que havia acabado de adentrar o bar. Estava sozinha. Uma bela moça de cabelos negros e longos, alguns rabiscos no braços e pernas, e um olhar sério e um tanto sombrio no rosto levemente pintado de maquiagem. Vestia um curto vestido preto de couro que davam forma a seu corpo desenhado. Ela olhou o bar por poucos segundos até se dirigir ao balcão, cerca de 20 metros de Ethan.


Ele não conseguiu tirar os olhos dela, pois parecia ser a mulher mais linda que já vira na vida. E então, usando a desculpa de que precisava atendê-la, deixou seu copo no balcão e foi em direção à moça.


- Pois não, minha senhora.


- Por favor. Senhora?

- Quer dizer, moça.

- Melhor. - disse a mulher, sorrindo. - Por favor, uma dose da seu melhor whisky.

Ethan sorriu e disse:

- Raro encontrar uma mulher tão decidida a beber tal coisa.

- Eu sei, não é? Mas acho melhor começar por ela antes de partir para algo como martini ou algo assim.

- Como nunca te vi aqui?

- É a primeira vez que venho neste bar.

- Tá explicado. - disse Ethan. - Um estante e volto com sua bebida, moça.

- Qual o seu nome? - perguntou ela, antes que Ethan se virasse.

- É Ethan, e o seu?

- Kayla.

- Diferente. - disse Ethan sorrindo apenas com os lábios. - Já volto, Kayla.

Ethan voltou cerca de cinco minutos depois e viu Kayla guardar na bolsa o celular. Provavelmente deveria estar falando com alguém.


- Aqui está, Kayla. Seu Jack.


Kayla cheirou a bebida com os olhos fechados e sorriu quando os abriu pouco antes de bebericar um quase gole. Engoliu. Olhou para Ethan que sorria, apreciava a visão daquela maravilhosa jovem morena com os cabelos longos até a cintura, os lábios vermelhos e os olhos penetrantes... O álcool perpetuava em seu corpo, ela exalava paixão e desejo e quem sabe algo mais.

- Olha... eu saio em meia-hora. Gostaria de tomar outro whisky depois?


- Hum... Decidido ele. Mas sim. - respondeu Kayla.

- Então combinao, moça.





Passados os trinta minutos Ethan estava de volta trajando não mais o avental de garçom.

- Bem melhor, garçom. - disse Kayla.

- Concordo, moça. Então vamos? - disse ele mostrando na mão a garrafa de whisky da Dalmore.

- Esse nunca bebi.

- Pois não irá querer outro. Então, para onde vamos?

- Pra minha casa.- disse Kayla se levantando do pequeno banco, colocando a pequena bolsa de lado na cintura e puxando Ethan para acompanha-la com os braços entrelaçados. Caminharam em silêncio até chegar no carro de Kayla, um volvo preto que estava parado na rua seguinte. Ethan entrou sem falar nada até que Kayla começou a dirigir e Ethan disse:

- E onde a moça mora?

- Em Valhala, Ethan Crawford. - sussurrou, mas Ethan ouviu e quando fitou nos olhos de Kayla eles brilhavam de uma forma não humana, era como se ela tivesse fogo dentro deles e então Ethan soube em seu âmago que estava de frente com Skuld a descentende semideusa da primeira Valkíria.










Leia Mais ►

23 de agosto de 2018

passagem

" hoje
vi uma menina
que até tatuagem 
feminista tinha

e no cabelo
uma piranha
os dedos delicados
na mão estranha
[a case de Cheshire]
e será que no fone
tocava nossa música
infame?
me apaixonei 
pelas suas costas
e pelo seu levantar
será que volto a vê-la?
sem me apaixonar?"

- Ricardo Caeeiro


Leia Mais ►

25 de julho de 2018

Pianista (e a ) Sereia - Parte I

O relógio batia quase meia-noite e as ruas de Wuppertal, na Alemanha já estavam iluminadas pelos postes de luz. Os habitantes em suas casas... mais especificamente alguns complexos que poderíamos chamar de prédios, mas naquele estilo europeu antigo. Vários apartamentos juntinhos uns dos outros, mas com design impecável em suas janelas desenhadas e pintadas pelos melhores arquitetos e pintores da época.

Naquele bairro específico, as corujas saíam da floresta um pouco distante das casas e pousavam nas árvores que estavam distribuídas pelas ruas. Ali, entoavam seus sons e se comunicavam entre si, permitindo certo barulho à noite. Nada muito pertubador, é claro. Outros animais eram ouvidos uma noite ou outra, no entanto, há certo tempo que um som bastante diferente passou a ser ouvido por aqueles acometidos pelo mal da insônia.
Leia Mais ►

10 de julho de 2018

Om

Ele maneja tão bem aquele violão
que eu quase senti meu coração
fitei-o com atenção e carinho
e fiquei feliz por estarmos sozinhos
sua voz ainda ecoa em minha mente
e ainda sinto seu toque fervente
quero repetir a dose daquela noite sim
possua-me, mestre
vamos unir nossas almas nesse ritual sem fim
seu cheiro me embriagaa
seu beijo quase mata
luto contra a morte
pois poder te ver de novo
será muita sorte
e não corte
essa nossa ligação
permita-nos a efêmera felicidade
sorrio, acho que encontrei alguém de verdade
que rimas fracas diante da imensidão
que foi nossa conexão
somos poderosos
podemos nos destruir
mas Shiva e Odin
nos dão motivos sim, para unir
fuma teu cigarro
eu bebo vinho
juntos somos luz e quem sabe
um novo caminho


Leia Mais ►

27 de junho de 2018

Sua

A máquina seguia marcando
traçava um caminho
e no final, sozinho
o símbolo surgiu
marquei na sua alma um afeto
e você marcou em mim um amor incerto
mas transferiu para a pele com tinta
a mensagem da sua boca
jamais lida, jamais dita

***

E você sua
na minha cama
estou na sua maca
nua
e durante o prazer
queria ser sua
geme e se contrai
me beija e sai
em cima estou
seus braços atadados
e você continua com a força que restou
amarrados à paixão
e sua
e meu
é impossível dizer não


Leia Mais ►

10 de maio de 2018

Mutter

Queria eu ser capaz
de encontrar palavras melhores
que pudessem expressar
meu amor sagaz

Ainda com meu título de
escritora
carrego no peito o mesmo
que o seu
profissão mais que bela,
és professora
e em ti me inspiro para
que eu possa melhorar nela

nada do que sou
um dia poderia ser
se não fosse sua determinação
naquela época em me fazer viver

se hoje sonho é graças ao seu esforço
se hoje conquisto é devido ao seu esboço
se hoje vivo é graças à sua luta
e não serei nunca capaz de agradecer
tal labuta

choro ao lembrar que já anseei dormir
hoje quero vencer para te fazer sorrir
nem todas as palavras combinadas
conseguiriam agradecer
tudo o que fez por esse pequeno ser

Perdão pelas falhas rabiscadas
e pela fala desajustada
Saiba que criou um bom ser, apesar de tudo
e que se hoje leio tudo
foi porque me permitiu o estudo
nesse caso, vale muito mais que dinheiro
portanto, obrigada de novo pela luta
sem desdenho

[e eu vivo por ti]

queria poder lhe dar mais que meros poemas
e um dia tais escritos valerão mais
e então serei capaz de acalmar seus ais

[o amor existe
seu nome é MÃE]

você é meu anjo, vida e razão
você é a causa, o motivo
pelo qual bate
meu inexistente coração

09.05.2018


Leia Mais ►

4 de maio de 2018

Outras Poesias

Minha idônea expressão diante de seu descaso com minha tribulação que insiste em abarcar no meu destruído, mas vivo peito... Até parece que não debulho em lágrimas mal caídas durante à noite, durante a tentativa falha de lavar meu envoltório pútrido internamente, e ainda por fora defasado de beleza.

Todavia, o que mais abisma minha pessoa é o que encontro todos os dias ao fitar o espelho que ensejaria eu estar quebrado, dessa forma eu não seria obrigada a encarar tal imagem horrenda desprovida de qualquer encanto.

Mas não mais falemos do que os outros são capazes de ver, mas nunca enxegar... de fato. O que me resta diante de tal existência sem próposito? Até mesmo o "verme que roeu as frias carnes" não ainda do meu cadáver - ah, ele ainda há de fazer isso - , mas ele ainda possui um motivo... alimentar-se dos outros antes vivos, agora jazem sem razão alguma dentro de féretros 'objetos' criados pelos modernos na tentativa de preservar aquilo que morrera muito antes do próprio corpo.

O verme.

Igualar-me-ei a tal criatura, no entanto, perco em tal disputa, visto que ele se mostra mais eficaz em sua tarefa do que eu, nas minhas várias. O helminto possui apenas uma razão em sua curta vida e a cumpre com exatidão.

Já eu... simplório e desgastado ser humano.
Eu, o não de Outras Poesias.
O sim para o Inferno das passagens sinistras.
Eu, e nunca jamais suas escolhas infinitas.

Não possuo nada além do nada. Dentro do vácuo há de encontrar-mos algo a mais. Um átomo capaz de descrever minha discrepância diante do restante da humanidade, porém, engana-se quem crê que é algo bom.

O que difiro do restante é que nada valho.
Até mesmo meu amigo, parasita... possui uma razão que é apoderar-se do outro enquanto Eu, o não de Outras Poesias sigo sem rumo diante de minhas vidas jamais distintas... nunca escolhidas.

Como eu mesma findei a mim.
Um sim para meu eterno e já decidido fim.



Leia Mais ►

28 de abril de 2018

De repente

" Hate me 
Break me
Let me feel as hurt as you

push me, crush me
but promise me
that you'll never let us go "



Você era a luz que quebrava o silêncio da minha escuridão. As cordas do violão... do meu coração. Você era o tom musical que faltava em minha canção. Então... de repente, desvanece. Como a neblina que some sem ver, o fogo que arde sem queimar... a brasa que queima sem chamuscar. Como se nossos sorrisos jamais tivessem existido e todas suas palavras nunca fizessem sentido. Quando menos me dei conta não estava em minha soturna vida. Não haveria. Não queria. De repente... "do riso fez-se choro" e do pranto fez-se dor. Do amor...nada mais eu sabia. Queria. Mas não podia. Você havia ido embora. Abandonando o meu espírito à sorte... mas não havia sorte para o demônio maltrado, usado... destruído e acabado. Aceito meus pecados, os cometi sabendo da punição, no entanto, cria eu na falácia que um anjo estaria comigo. Nunca esteve. Partiu antes mesmo de entrar. E sigo agora solitária. Como antes. Como sempre.  
E você? Sorri e desvanece. E nem ao menos sente.

A dor que me causou.
O desespero em que estou
A pílula na garganta forçou
E no fim
de nada adiantou


Leia Mais ►

16 de abril de 2018

Joy


faço um exorcismo todos os dias
(...)

respiro e encaro meus demônios
eles me sorriem como a morte
e então, vez ou outra me entrego
deixo com eles minha sorte

no dia seguinte sou forçada a tentar novamente
não me permitem o descanso solitário e eterno
pois precisam de meu casco cansado e velho
me pede a clemência, mas não pode ser clemente?

[cada decisão de meu cansado espírito 
cada passo que minhas estafadas pernas
dão
eu sinto que caio
direto no
chão
mas não...]

ainda estou de pé, forçando uma meta
não há objetivo nisso
não há sentido vivo
ainda estou de pé, caminhando em linha reta

" mas essas alegrias violentas têm fins violentos, como fogo e pólvora que num beijo se consomem"

não ouso mais falar de amor
não falarei de paixão e dor
e tão pouco irei dissertar
sobre o bom gosto de quase amar

são coisas que não existem
nosso ego nos engana
e nossa mente nos encanta

erra esse meu medo, eu já devia saber que aquele estado não iria durar
que ele se fosse de minha vida como todos os outros a me abandonar
somente ficam aqueles que foram destinados a ficar

***

Prosa.

Sinto que não ficam por escolha, de alguma forma são forçados a não partir. E então, ficam. Supostamente deveria ser algo bom, mas não é, visto que junto dessa decisão eles me forçam a sorrir sorrisos que não são meus. É um fracasso intríseco a mim mesm0.  Diário. Ainda é meio-dia e encontro-me sozinho em meu quarto chorando lágrimas que não deveriam ser choradas. A dependência que achei ter livrado meu desgastado corpo... encarei-a ainda pouco. Quanto desgosto você pode causar e ainda ter gosto? 

São metas postas para enganar os ingleses. Esses que nunca irei ver de perto. Como todos os meus sonhos, um dia na inocente infância, sonhados.

" Quando minha hora chegar, mantenha-me em sua memória... razões para ser lembrado... Guarde todo o resto. "

Não sei como proceder com esse texto... Assim como eu e como todos os outros... ele nada vale, fiquem então com tudo isso. Esse tudo que é nada.


Leia Mais ►

13 de abril de 2018

Magik

Ela é livro
"do rodapé
ao sorriso"
é escrita e página
de corpo inteiro
e alma
ela é palavras
dos poemas às
mágicas
Mágicas que aprendeu
com os livros
e depois fez magia
com seus próprios escritos

13.04.18
Leia Mais ►

26 de março de 2018

Quando coloco em pauta o demônio que sou


Quando coloco em pauta o demônio que sou
compreendo todas as razões 
pelas quais você me deixou

Nunca entendi o que talvez teria visto em mim
agora sei que você nunca viu nada
o que enxergou foi um meio para seu fim

E nem foi como Maquiavel
foi muito mais cruel
você forjou meu banho em fel

Quando coloco em pauta o demônio que sou
eu entendo todos os sonhos que abandonou
ao meu lado todas as juras que me jurou

Deteriorada estou e assim sempre serei
O medo toma conta e não sei para onde irei
ansiosa pelo seu sorriso, mas sei que não terei

Como pode um ser tão pequeno sentir tanto?
Como pode um ser tão belo me matar e deixar em pranto?
Como pode um demônio amar aquilo que deus fez com encanto?

Tento todos os dias ao me levantar
aceitar minha sina de jamais me amar
ser amada e querida, jamais passível de tentar

falho miseravelmente quando encontro-me de frente
ao espelho trincado pelo brilho manchado
de meus olhos cansados e de meu sorriso marcado

pela dor de esconder a agonia que é viver
em vão, sem razão, sem um bom coração
pois o que havia de bom você levou
e me deixou
à mercê da sorte
mas esqueceu que só conheço
a morte

tento nos livros encontrar consolo
e então encontro na garrafa um gosto absorto
forço a entrada para que minha mente encontre a saída
e quando acordo desse estado entendo que jamais fui querida

e então, em vão, tento retornar ao meu estado letárgico
falho
fecho os olhos e me encontro com seu sorriso mágico

abro os olhos e você não está ao meu lado
Quando coloco em pauta o demônio que sou
sei porque me deixou e porque já estava acabado
eu nunca haveria de ser o suficiente para um Anjo 
que por mim passou

não diante de tantas maravilhosas opções
o ego escolhe o que lhe convém
mas esquece que ele já havia dito um amém
e então me isolo em meu quarto escuro
choro sem som
grito em silêncio
a lágrimas não escorre
mas a angústia
ela surge e me consome

"Sua dor se foi, suas mãos estão desamarradas"

e eu me pergunto, de que me valem tais versos?
são tão inúteis quanto meus futuros incertos
como minha vida desprovida de validade
como minha mente sem sanidade
e agora entendo por quê me pediu para ficar
quando você já tinha sua data marcada para acabar









Leia Mais ►

23 de março de 2018

Pois

As mais perfumadas rosas se curvam quando você passa, pois elas sabem que teu cheiro é divino.
A Lua, solitária mesmo ao lado do Sol  deseja ter um corpo para aproximar-se do seu, pois ela sabe que mais bonito não há.
E o Sol, mesmo com toda magnitute e potência faz referência a você, pois ele sabe que nem todos os raiosdele são suficientes para abrandar o seu brilho.
Os pássaros ao te ouvirem falar ficam calados para te ouvir e em seguida tentam imitar sua linda voz, mas desistem logo, pois sabem que tal feito é impossível.
Nem toda a suavidade do pêssego seria o bastante a se comparar com a leveza de sua pele
As mais belas paisagens, se curvam diante de sua beleza
E suas qualidades se extendem à sua personalidade
que nem o mais bondoso dentre os homens são capazes de apaziguar

(***)

E eu, permaneço na escuridão mesmo na presença do Sol, permaneço em silêncio mesmo ao lado dos pássaros, nada sinto rodeada das rosas e nada vejo ou toco mesmo com a Lua a refletir no meu rio de lágrimas.




Essa escrevi há anos, mas lhe entrego hoje como se esse texto já lhe tivesse como destinatário no passado, pois o futuro já sabia que nos encontraríamos. 

18.11.14
Leia Mais ►

13 de março de 2018

Despir

Despe-me com teu beijo
E me veste com teu cheiro
beija-me a boca sedenta
e com teu prazer me alimenta

me joga na cama e vem  por cima
eu lhe permito uma investida
segura meu cabelo com força
pode ser forte, não sou feita de louça

(...)
Leia Mais ►

27 de fevereiro de 2018

Nothing New After All

" Mas se você me amava, por que me deixou?"

Regurgito palavras ao vento na tentativa de entender esse sentimento.
A dor que dilacera meu peito é incomensurável. E eu me pergunto como ainda estou aqui depois de tanto tempo. Engulo o álcool como se fosse água. Ele queima meu corpo como se fosse brasa. Apago o fogo com gelo, mas já mando para dentro outra dose. Dessa vez não sinto nada e então me permito viajar para longe de você.

Todos os dias em que acordo desejando ainda estar dormindo um tapa em minha face desprovida de qualquer beleza eu levo... São todos eles me dizendo que preciso continuar, que preciso me esforçar mais, que preciso tentar de novo. Eu sempre revido com o famigerado por que? E eles nunca possuem uma resposta forte o bastante para me fazer tentar. 

Ainda me recordo de minhas próprias palavras cerca de uma semana atrás. De nada valho, pois já desejo fazer com que eu nunca as tivesse dito. É tão mais díficil encontrar a felicidade. A tristeza, por outro lado, parece andar ao meu lado como uma sombra que não me abandona nem mesmo no escuro. 

E somente o que sabem dizer é que eu devo escuta-los,  e procurar isso e aquilo, mas ninguém é capaz de oferecer uma solução duradoura para o meu problema e quando eu a ofereço eles a negam. São tão egoístas, sabendo de minha dor diária e sabendo que quando ela cessasse sim, alguns iriam sentir a mesma dor, no entanto, todos sabem que ela iria passar. E mesmo assim me pedem para ficar? Negam minha escolha de descanso pensando na própria escolha do conforto. Afinal, supostamente eu ofereço alguma alegria... mas não é assim que funciona, meu caro. Se sua alegria é motivo de dor ao outro então algo está errado. 

Eu não sei mais como abordar tal assunto, quer dizer, sei pois é o que consola minha angústia. Escrever, todavia, queria eu ser capaz de como os grandes manejadores de palavras pode escrever coisas dignas de serem lidas pelos olhos dos outros, uma vez que os meus estão cansados de percorrer minhas próprias palavras fúteis e sem significado algum. 

Forço-me todos os dias a encontrar as palavras certas, nunca as encontro, é claro, portanto uso as mesmas de sempre e é por isso que ninguém se da ao trabalho de ler qualquer coisa a respeito... nem mesmo meus gritos silenciosos. 
Leia Mais ►

19 de fevereiro de 2018

What

Curado por deus
quero me perder
nos beijos teus

Rafael
como consegue
manter-me no céu?

Abraça-me com carinho
ao seu lado, esqueço-me como é
ficar sozinho

Os rabiscos de seu corpo
quero beijar-te todo
E ao seu lado adormeço
De toda dor esqueço

Pode possuir-me quando quiser
Eu topo esse rolê
e aí, bora pro que der e vier?

20.12.17
Leia Mais ►

18 de fevereiro de 2018

Foi quando te encontrei*

Ouvindo o som e o mar rolar***

E agora ainda posso ouvir o som...
Eu não precisco de promessas
nem de sons e mesmo assim decidi acreditar
"Foi quando te encontrei ...
Ouvindo o som e o mar..."


Tá vendo aquela estrela lá no céu?
Eu a nomeei com teu nome, Rephael
Tá vendo aquela nuvem em um quase escarcéu?
O anjo que foi curado por deus, e me curou como mel

Somos  eternos seres errantes, mas dentre esses erros
Encontramos vez por outra alguns poucos acertos
E são esses que valem a pena, que devemos fazer
Nem que seja um pequeno esforço para crer
Que no fim vale a pena viver

A sua voz é a mais perfeita música para meus simplórios ouvidos
E seu corpo, suas mãos e seu rosto, são as coisas mais belas, meu querido

Como se o nosso laço tivesse sido forjado
em outra vida, em outro tempo
Por deus, Odin, talvez, foi marcado
Mas por mim jamais esquecido

Nossos passos  foram traçados
Juntos, para caminhar lado a lado
E mesmo que nos desviemos um pouco
Continuamos juntos como brasa e fogo

E então você sorriu
e meu mundo sumiu
e então você falou
e minha vida rumou

O brilho nos teus olhos constroem um muro de alegrias
E apesar de toda a angústia no seu peito forte e trabalhado, aqui e lá
Eu sei que há motivos para você sorrir e crer em promessas quase divinas
E todos as suas metas, e todos os seus sonhos eu sei que você vai realizar

E então eu lhe pergunto, meu grande Leão
pelo o que bate seu coração?
Teria espaço para um cansado cordeiro?
Digas que sim, e teras para ti meu próprio coração certeiro

Mais um ano se passou e você viveu, conquistou
O  número final mudou
mas você cresceu, se realizou

Eu me orgulho de ter lhe conhecido, visto
E queria continuar fazendo parte deste ciclo
Então voe, meu pássaro, seja meu Sol e Estrelas
porque já és, és uma paisagem bonita
e então serei para sempre A Lua da Sua Vida.

*Happy Birthday, my almost love. 


Leia Mais ►

16 de fevereiro de 2018

Schmerrz

Eu ainda não sei como nomear esse texto. Ainda não sei como nomear esse texto que estou tentando entender. Eu ainda estou entandando entender porque tudo isso aconteceu. E mais uma vez eu nego a existência de qualquer ser superior que seja capaz de confortar as mentes credoras dele. E cá estou escrevendo mais uma vez na tentativa de entender o que se passa em minha mente, em meu coração, e mais uma vez eu fui ferida, eu fui machucada. Novamente, estou tentando entender porquê eu fiquei quando tudo indicada que ia dar errado, mas eu, inocente, decidi dar a chance ao improvável.

A minha dor de todos os dias ninguém é capaz de compreender, que dirá aquela que vem vez por outra, de tempos em tempos. Todas as minhas habilidades sejam elas grandes ou não, de nada serviram a você, e eu me pergunto, por quê?

Eu ouço essas palavras de coisas que me disse durante aquelas tempos e agora vejo o curso que está tomando e compreendo como fui ingênua acreditando que seria capaz de estar com algo tão horrendo como eu. Apesar de todos os meus esforços, de toda a minha luta. Todos os dias. Cá estou, debulhando-me em lágrimas que nem me mereciam. Eu já sou cheia de lembranças as quais terei que ser forçadas as esquecer, no entanto, temo não ser capaz de tal feito, afinal, nunca fui capaz de ser fazer grandes feitos. E agora, novamente, encontro-me frente ao meu reflexo maldito... O ser errante sou, capaz de ferir e de machucar e de até mesmo destruir os seres mais puros, no entanto,cruzei meu caminho com um que foi sábio o bastante e forte o suficiente para ter forças o bastante para sair antes que fosse tarde ou mesmo que fosse díficil para ele.

Mesmo apesar da dor que acomete meu peito neste momento traçoeiro e certeiro eu não o forço a nada, não o lhe prendo. Eu não mereço tal ser. E aceito minha sina. Talvez não a aceito como deveria, mas forço-me a seguir minha vida como eles pedem, e até mesmo suplicam para que eu devesse.

E mais uma vez.... não você, mas os prometores se foram.
Eu já devia saber...
Mas nunca sei.
Eu sempre me forço a me enganar a mim mesma.
E eu sempre sou a que se acaba  no lago mais bonito...sofrendo as mais insignificantes dores.






Leia Mais ►

13 de fevereiro de 2018

Stay

Parece que faz que tanto desde a última a vez que lhe vi. O que mais me fere é sentir que esse mesmo tempo não é o mesmo para você.

"Algumas coisas nós não falamos sobre". Mas agora é preciso. Eu nunca lhe pedi nada, apenas que ficasse... se quisesse.

Eu costumava viver em Trevas, e estava tudo bem. Acostumei-me à escuridão, fiz dela parte de meu coração. E então, em um bar qualquer encontrei luz. Como antes tentei nela viver. E a cada sorriso seu meu corpo falecia em luz. Sua voz me embalou durante várias noites.

" Quem se importa se mais uma luz se apaga em um céu de milhões de estrelas?"

Acordava então sem razão. Forçada por outros. Mas há algum tempo que acordo sorrindo, pois havia a certeza de lhe ver. Havia. Temo que não mais lhe verei. O que mais me fere é aceitar que a razão sou eu. As pessoas nunca ficam. Todos juram, mas ninguém cumpre tal promessa. Aceito que sou corrupção, e entendo o fato de ninguém querer ficar ao lado de um ser tão errado como eu. Eu me esforço tanto para ser boa para todos, eu me entreguei a você e você deu todos os indícios de que era bom, e sim você é ... sou eu esse monte de ossos acoplados a um envoltório que é forçado a caminhar todos os dias em uma direção que eu não sei qual. Todos os dias travo uma luta comigo mesma, e me forço a escolher a vida, pois prometi a uma pessoa. A mais importante de minha vida. E não, não é você. E nesse momento soturno em que lágrimas escorrem de meus cansados olhos e eu a desejei aqui.

A dor é a única coisa que me lembra voce agora, e por mais incrível que pareça agradeço por a estar sentindo, pois ela me garante de que você foi real. Foi real enquanto durou? Não sei, não sei o que vai acontecer. Mas meu peito dói e minha garganta não suporta mais chorar. Por que? É minha única pergunta. Por que todos os dias de minha cansada vida sou forçada a isso? Sei que já errei com várias pessoas, mas eu não mereço nada disso. Eu já paguei meus pecados há cerca de sete anos.  E eu lutei com tanta força nessa época que temo não ter sobrado mais força em meu corpo e mente para lutar agora.

Por que é tudo tão díficil? Por que eu preciso me esforçar tanto para sorrir e ficar bem? Esse texto não possui como destinatário você, mas eu lhe pergunto por que você foi embora? Eu fiz alguma coisa? Eu dei a você tudo o que eu tinha. Eu lhe permiti me curar, mas da mesma forma você me quebrou. E eu já estou acostumada a me quebrar, pois preciso me reconstruir todos os dias. Pergunto-me se suas palavras foram todas falsas, mas você não parecia ser esse tipo de pessoa.

" Quem  se importa se mais uma luz se apaga no céu cheio de estrelas?"

O egoísmo alheio me impede de ficar com as estrelas. A maioria não teme a morte, mas a saudade que vem depois dela. E isso é egoísta, pois você nega ao corpo cansado descanso.  Encontro paz quando meus olhos estão fechados e gostaria que ficassem assim para sempre. No entanto, as imagens que percorrem minha mente quando eles não estão abertos ainda me pertubam. Quando você está neles consigo sorrir mesmo dormindo, mas então acordo e olho para o lado. Você não está ali. Não tem estado por muito tempo e isso me destrói, pois pergunto-me se fiz algo de errado mesmo tentando com todas as minhas forças restantes ser correta e boa o bastante pra você e todos.

Mas eu nunca sou. Todos vão embora. Ninguém fica. Ninguém fica! E você disse que ia ficar. 
Leia Mais ►

6 de fevereiro de 2018

28.01

Queria eu ser capaz de exumar
desse corpo toda tristeza que
nele abarca
Mas parece que em mim
a angústia
fez morada.


Leia Mais ►

5 de fevereiro de 2018

Tragos

eu não fumo
mas lhe trago
comigo (sempre)
e ao acaso

eu bebo
mas de tua pessoa
embebedo-me
a cada toque teu
que me destoa

se eu fosse me drogar
de tua essência iria me esbaldar
não nego teus beijos, nem teus toques
bruscos, mas repletos de enfoques

(...)

Um dia posto o restante





Leia Mais ►

22 de janeiro de 2018

Tempus

A impaciência que rege meus incautos restos mortais são impassíveis de compreensão.  Tão pouco essa minha suposta depressão. "Eu não quero ter medo... Eu não quero morrer por dentro apenas por respirar" . O reflexo que me forçam encarar todos os dias antes de sair de minha casa causa-me repulsa. Seria capaz algum ser humano amar algo tão fugaz?

Desprovida de qualquer semelhança com algo bonito. Meus traços são marcados... pela horrenda máscara que o universo me força a usar. Antes uma lipotimia tomar conta de mim a ter que encarar a esse erro novamente.

Os receios são tantos que temo me temer. A inquietação pela qual meu machucado coração passa todos os dias ao me deparar com a possível ideia do abandono faz-se presente uma vez mais. São tantos seres melhores para se ter por perto, por que haveria você de querer algo tão singelo?

"Eu sei que vou cair. " É como se todo meu destino tivesse sido traçado em um passado nem tão distante. Cada passo é um erro, cada escolha diversas renúncias, mas nenhuma que valha a pena. "Eu sou o erro na matriz do universo".

Cólera que me cobre o peito. Soco as paredes na busca do sossego.

Não há saída para o cão condenado. O lobo solitário. O leão acabado. Busco conforto em papeis escritos pelas mãos de outrem, uma vez que as minhas deterioradas estão de tanto enxugar de meus olhos líquidos salgados e em vão. 

Nas teclas brancas do piano busco um som. Encontro. É feito de acorde menores, tão soturnos quanto meu semblante. Vez ou outra encontro em mim um sorriso sincero, um afago certo e um motivo correto. No entanto, sempre me diz adeus e temo o dia em que não mais voltará. Até quando serei capaz de lhe cativar?

Queria eu ser capaz de encontrar as palavras corretas capazes de descrever o verdadeiro sentimento que se passa dentro de mim a respeito de mim mesma, mas todas as palavras que me vêm à cabeça são semelhantes as usadas para descrever o próprio demônio.

De manhã, quando abro os olhos e fito o teto branco de meu quarto, manchado de meus olhares passados chego à sombria conclusão de que "ainda que eu ande pelo vale das sombras" ei de temer apenas um mal. Seu nome... Tempo.





Leia Mais ►

17 de janeiro de 2018

Lumus

"Who cares if one more light goes out in the sky of a million stars? (...) Well I do"
"Eu deveria ter ficado, houve algum sinal que ignorei?
 Posso te ajudar a não se machucar mais?"

"If a moment is all we are
We're quicker, quicker
Who cares if one more light goes out?
Well, I do"




" Quando minha hora chegar, Esqueça os erros que eu cometi, me ajude a deixar para trás algumas, Razões para ser lembrado "


Eu sonhei que você estava perdido, eu estava tão assustada. Depois do meu sonho, eu acordei em prantos. Você não estava do meu lado. Eu temi que tivesse me abandonado."Não fique resssentido comigo, e quando se sentir vazio me mantenha em sua mente. " Eu sou forte olhando de fora, mas posso me quebrar... Assim como você. Somos imperfeitos, mas menos e menos somam mais. Não esqueça os erros que cometi, mas encontre na sua alma repleta de luz uma razão para perdoar. Fizemos tudo o que podíamos? Não, ainda podemos ir mais longe.

Minha hora logo chegará e não irei querer choro e lágrimas diante de meu caixão. Em meu leito de morte quero ver de fora, sorrisos daqueles me conheceram... alegres por terem feito parte de minha simplória, mas lutada vida. Será que alguém pode chegar e "me salvar de mim mesmo?" Se Anjos existem então me deparei com um... Em um bar qualquer longe de minha casa. E quando ele sorriu eu vi todas as estrelas do céu que até então estavam me esperando apagar e me juntar a elas.  

A luz que havia se apagado dentro de mim sugou um pouco de ar e como a Sininho ela voltou a brilhar. Meu riso e sorriso não são os mais belos do mundo,  mas o motivo deles surgirem em minha face tem nome e sobrenome... um sobrenome diferente da famigerada Alemanha, será? "Ninguém pode me salvar, não" , mas você nunca foi um ninguém, se nossos destinos tivessem  sido traçados nas estrelas então nosso encontro marcou a profecia certeira. 

"Eu não posso ser quem você é" então " deixe todo o resto " e se agarre a esse único momento que podemos ter... São 38 dias. São 38 noites em  que sua imagem velou meu sono. Toda minha energia que foi desperdiçada ao longo do ano anterior foi recarregada no seu abraço quente. Do seu beijo doce eu puxei luz, do seu sorriso eu absorvi vida, eu queria viver mais um dia... Pra lhe ver, e lhe encantar. Se Anjos podem ser cantados eu canto para ti a música de meu sentimento.

Ela foi composta através dos nossos gemidos baixos, e escrita na sua pele suada colada na minha. Passei para o papel a melodia que extrai de sua risada , e marquei em mim mesma os traços de seu corpo uma vez mesclados ao meu, juntos dois seres dançantes na balada eterna que é a vida sem rumo, mas garantida de alegria. A frequência  que somente nós dois somos capazes de atingir jamais poderá ser alterada ou quebrada, então eu lhe pergunto... ainda quer fazer parte dessa eterna música composta na partitura de nossos corpos,  cantada pelas nossas bocas coladas, e dançada por nossos pés descalços diante da imensidão que é o mar que ainda não fomos visitar?

Eu ainda tenho muito para  escrever o no momento minha maior inspiração é você.Seja parte dessa história que o Universo está escrevendo para nós. Se você tem duvidas pergunte a ele... Vale a pena mergulhar nessa Escuridão? E ele lhe dirá que sim, pois você é como a Luz de Ëarendil que ilumina até mesmo as Trevas. Puxa-me para cima, Anjo estou quase saindo desse breu, posso até enxergar você, de longe querendo ir embora, mas com uma pitada de receio. Então, agora...


"Voe ao meu lado,
Seja livre, pássaro
Porque eu já podia me imaginar
Correndo até você
Querendo te abraçar."









Leia Mais ►

16 de janeiro de 2018

Breviarium

Serei breve.

Não usarei palavras díficeis, como sempre.
Mas como sempre, você me fez sorrir.

Durante a madrugada, fitando a escuridão de meu quarto sombrio manchados de meus olhares tristonhos e pintados por minhas dores horrendas, eu sorri. Ninguém viu o sorriso torto, mas eu senti. O motivo? Seu rosto me veio à mente. Há poucos dias eu estava do seu lado. Aconchegada em seu abraço. Eu já havia me esquecido da última vez que eu ficara tão feliz. A felicidade não é algo a ser buscado, é algo vivenciado. E desde aquele famigerado dia nove que ela tem feito parte de minha vida. Até mesmo naqueles dias tristes em que sua ausência se fez presente.
Esse é mais um texto em prosa em que desabafo meu sentimento, se é que já existe algum. Perdão pela invasão, pela intensidade, por ser assim. Mas esse é meu jeito de mostrar que me importo. Quando você passou mal eu fiquei com medo. Mas no fim ficou tudo bem. Graças a Odin...Thor, não sei. Eu sei que existe algo em você que se importa comigo, um gostar. Eu vou me apegar a isso, e esquecer todo o resto, já dizia Linkin Park.
Leia Mais ►

13 de janeiro de 2018

Sobre a soturnez

Eu abro os olhos, mas não acordo
Forço a mente, mas nada recordo
Ninguém é capaz de entender meu
desespero
Ninguém se importa com o meu
apelo


Eu tenho tanto medo do ferimento
Que escondo todo e qualquer sentimentoo
Eu temo tanto o álcool e o choro
Que não permito alegria nem gozo

Eu não possuo condições de tal agonia
Queria poder partir,
Mas ainda me resta algum dia

Não são capazes de ver o esforço
O que vêm por fora é só um esboço
Eu sofro em silêncio as dores gritadas
Eu enterro minhas angústias agitadas

Eu travo lutas todos os dias contra mim
Mas perco a bata sempre
Neste guerra sem glória nem fim.


Leia Mais ►

7 de janeiro de 2018

Borboletas no... fígado

Todas as borboletas que haviam no campo fizeram morada em meu...fígado. Eu as matei com o álcool que você me deu. Traguei seu perfume como o fumante desesperado traga o último cigarro. Morri todos os dias de sua ausência. A abstinência se tornou parte de meu corpo, abandonado pelo seu. Hora morria de câncer, depois de tragar seu cheiro. Hora morria de abstinência. Sem sua presença meu corpo desfalece. De todas as drogas que existem nesse sórdido mundo eu fui experimentar a única para qual não existe tratamento. Você. A única solução é continuar usando. Quem sabe tenho uma overdose e morro feliz.
Leia Mais ►

Evoluir dói

não sei ao certo como começar esse texto. espero que um dia acorde como eu. é doloroso, parece que seus olhos vão se afogar nas próprias lá...