22 de janeiro de 2018

Tempus

A impaciência que rege meus incautos restos mortais são impassíveis de compreensão.  Tão pouco essa minha suposta depressão. "Eu não quero ter medo... Eu não quero morrer por dentro apenas por respirar" . O reflexo que me forçam encarar todos os dias antes de sair de minha casa causa-me repulsa. Seria capaz algum ser humano amar algo tão fugaz?

Desprovida de qualquer semelhança com algo bonito. Meus traços são marcados... pela horrenda máscara que o universo me força a usar. Antes uma lipotimia tomar conta de mim a ter que encarar a esse erro novamente.

Os receios são tantos que temo me temer. A inquietação pela qual meu machucado coração passa todos os dias ao me deparar com a possível ideia do abandono faz-se presente uma vez mais. São tantos seres melhores para se ter por perto, por que haveria você de querer algo tão singelo?

"Eu sei que vou cair. " É como se todo meu destino tivesse sido traçado em um passado nem tão distante. Cada passo é um erro, cada escolha diversas renúncias, mas nenhuma que valha a pena. "Eu sou o erro na matriz do universo".

Cólera que me cobre o peito. Soco as paredes na busca do sossego.

Não há saída para o cão condenado. O lobo solitário. O leão acabado. Busco conforto em papeis escritos pelas mãos de outrem, uma vez que as minhas deterioradas estão de tanto enxugar de meus olhos líquidos salgados e em vão. 

Nas teclas brancas do piano busco um som. Encontro. É feito de acorde menores, tão soturnos quanto meu semblante. Vez ou outra encontro em mim um sorriso sincero, um afago certo e um motivo correto. No entanto, sempre me diz adeus e temo o dia em que não mais voltará. Até quando serei capaz de lhe cativar?

Queria eu ser capaz de encontrar as palavras corretas capazes de descrever o verdadeiro sentimento que se passa dentro de mim a respeito de mim mesma, mas todas as palavras que me vêm à cabeça são semelhantes as usadas para descrever o próprio demônio.

De manhã, quando abro os olhos e fito o teto branco de meu quarto, manchado de meus olhares passados chego à sombria conclusão de que "ainda que eu ande pelo vale das sombras" ei de temer apenas um mal. Seu nome... Tempo.





2 comentários:

  1. Oi!
    Curti o texto.
    A carga sentimental dele é muito grande. Curti bastante as comparações feitas, pois elas ilustram "o verdadeiro sentimento que se passa dentro de mim".
    Continue escrevendo-os ;)
    E lembre-se que o tempo é o melhor remédio.

    ResponderExcluir
  2. Achei teu blog observando teu perfil num outro site. Gostei! Tive que pesquisar o que é lipotimia. É, tem muito sentimento assim...

    Meu blog é mentaculusblog.wordpress.com

    ResponderExcluir

Fale comigo, estranho!

Mutter

Queria eu ser capaz de encontrar palavras melhores que pudessem expressar meu amor sagaz Ainda com meu título de escritora carrego no...