22 de fevereiro de 2018

Free Spirit

Queria eu ser capaz de escrever
algo que fosse capaz de lhe fazer crer
que fomos feitos um para o outro
como nos filmes que tanto ouço

Não vejo, pois não consigo
não creio, pois jamais vivi
viver na solidão, meu castigo
o mal maior, eu já senti

Caminhar solitária nunca foi um problema
mas tornou-se minha sina quando me abandonou
como serei capaz de escrever outro poema?
quando tudo o que havia de bom em mim você levou?

" we are you now?" 
" Eu deveria ficar? Quando todos os sinais eu ignorei?"

A ingenuidade de minha singela pessoa
permitiu-me caminhar ao seu lado 
mesmo quando ríamos à toa
e eu lhe queria comigo pra sempre, de fato

Mas não fui capaz de cativar-te o bastante
te fiz meu ser cantante
e você me fez seu demônio errante

Perfurei meu peito com minhas próprias mãos
e entreguei-lhe mais que meu coração, então
Meu espírito quebrantado
Em ti fez morada, mas estava solitário

O seu revolto e liberto há muito tinha voado
E sua casca como minha não podia abrigar
Então chorei e sem saber que tinha acabado
Deixei-o vagar no seu peito até você me expulsar

E assim o fez
cá estou
sem nada
e o nada restou






Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fale comigo, estranho!

Mutter

Queria eu ser capaz de encontrar palavras melhores que pudessem expressar meu amor sagaz Ainda com meu título de escritora carrego no...