27 de fevereiro de 2018

Nothing New After All

" Mas se você me amava, por que me deixou?"

Regurgito palavras ao vento na tentativa de entender esse sentimento.
A dor que dilacera meu peito é incomensurável. E eu me pergunto como ainda estou aqui depois de tanto tempo. Engulo o álcool como se fosse água. Ele queima meu corpo como se fosse brasa. Apago o fogo com gelo, mas já mando para dentro outra dose. Dessa vez não sinto nada e então me permito viajar para longe de você.

Todos os dias em que acordo desejando ainda estar dormindo um tapa em minha face desprovida de qualquer beleza eu levo... São todos eles me dizendo que preciso continuar, que preciso me esforçar mais, que preciso tentar de novo. Eu sempre revido com o famigerado por que? E eles nunca possuem uma resposta forte o bastante para me fazer tentar. 

Ainda me recordo de minhas próprias palavras cerca de uma semana atrás. De nada valho, pois já desejo fazer com que eu nunca as tivesse dito. É tão mais díficil encontrar a felicidade. A tristeza, por outro lado, parece andar ao meu lado como uma sombra que não me abandona nem mesmo no escuro. 

E somente o que sabem dizer é que eu devo escuta-los,  e procurar isso e aquilo, mas ninguém é capaz de oferecer uma solução duradoura para o meu problema e quando eu a ofereço eles a negam. São tão egoístas, sabendo de minha dor diária e sabendo que quando ela cessasse sim, alguns iriam sentir a mesma dor, no entanto, todos sabem que ela iria passar. E mesmo assim me pedem para ficar? Negam minha escolha de descanso pensando na própria escolha do conforto. Afinal, supostamente eu ofereço alguma alegria... mas não é assim que funciona, meu caro. Se sua alegria é motivo de dor ao outro então algo está errado. 

Eu não sei mais como abordar tal assunto, quer dizer, sei pois é o que consola minha angústia. Escrever, todavia, queria eu ser capaz de como os grandes manejadores de palavras pode escrever coisas dignas de serem lidas pelos olhos dos outros, uma vez que os meus estão cansados de percorrer minhas próprias palavras fúteis e sem significado algum. 

Forço-me todos os dias a encontrar as palavras certas, nunca as encontro, é claro, portanto uso as mesmas de sempre e é por isso que ninguém se da ao trabalho de ler qualquer coisa a respeito... nem mesmo meus gritos silenciosos. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fale comigo, estranho!

passagem

" hoje vi uma menina que até tatuagem  feminista tinha e no cabelo uma piranha os dedos delicados na mão estranha [a...