28 de abril de 2018

De repente

" Hate me 
Break me
Let me feel as hurt as you

push me, crush me
but promise me
that you'll never let us go "



Você era a luz que quebrava o silêncio da minha escuridão. As cordas do violão... do meu coração. Você era o tom musical que faltava em minha canção. Então... de repente, desvanece. Como a neblina que some sem ver, o fogo que arde sem queimar... a brasa que queima sem chamuscar. Como se nossos sorrisos jamais tivessem existido e todas suas palavras nunca fizessem sentido. Quando menos me dei conta não estava em minha soturna vida. Não haveria. Não queria. De repente... "do riso fez-se choro" e do pranto fez-se dor. Do amor...nada mais eu sabia. Queria. Mas não podia. Você havia ido embora. Abandonando o meu espírito à sorte... mas não havia sorte para o demônio maltrado, usado... destruído e acabado. Aceito meus pecados, os cometi sabendo da punição, no entanto, cria eu na falácia que um anjo estaria comigo. Nunca esteve. Partiu antes mesmo de entrar. E sigo agora solitária. Como antes. Como sempre.  
E você? Sorri e desvanece. E nem ao menos sente.

A dor que me causou.
O desespero em que estou
A pílula na garganta forçou
E no fim
de nada adiantou


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fale comigo, estranho!

passagem

" hoje vi uma menina que até tatuagem  feminista tinha e no cabelo uma piranha os dedos delicados na mão estranha [a...