4 de maio de 2018

Outras Poesias

Minha idônea expressão diante de seu descaso com minha tribulação que insiste em abarcar no meu destruído, mas vivo peito... Até parece que não debulho em lágrimas mal caídas durante à noite, durante a tentativa falha de lavar meu envoltório pútrido internamente, e ainda por fora defasado de beleza.

Todavia, o que mais abisma minha pessoa é o que encontro todos os dias ao fitar o espelho que ensejaria eu estar quebrado, dessa forma eu não seria obrigada a encarar tal imagem horrenda desprovida de qualquer encanto.

Mas não mais falemos do que os outros são capazes de ver, mas nunca enxegar... de fato. O que me resta diante de tal existência sem próposito? Até mesmo o "verme que roeu as frias carnes" não ainda do meu cadáver - ah, ele ainda há de fazer isso - , mas ele ainda possui um motivo... alimentar-se dos outros antes vivos, agora jazem sem razão alguma dentro de féretros 'objetos' criados pelos modernos na tentativa de preservar aquilo que morrera muito antes do próprio corpo.

O verme.

Igualar-me-ei a tal criatura, no entanto, perco em tal disputa, visto que ele se mostra mais eficaz em sua tarefa do que eu, nas minhas várias. O helminto possui apenas uma razão em sua curta vida e a cumpre com exatidão.

Já eu... simplório e desgastado ser humano.
Eu, o não de Outras Poesias.
O sim para o Inferno das passagens sinistras.
Eu, e nunca jamais suas escolhas infinitas.

Não possuo nada além do nada. Dentro do vácuo há de encontrar-mos algo a mais. Um átomo capaz de descrever minha discrepância diante do restante da humanidade, porém, engana-se quem crê que é algo bom.

O que difiro do restante é que nada valho.
Até mesmo meu amigo, parasita... possui uma razão que é apoderar-se do outro enquanto Eu, o não de Outras Poesias sigo sem rumo diante de minhas vidas jamais distintas... nunca escolhidas.

Como eu mesma findei a mim.
Um sim para meu eterno e já decidido fim.



14 comentários:

  1. Palavras cheias de melancolia que exibem o que sente alguém deprimido, cheio de dúvidas sobre a vida, que chega a se rebaixar ao valor de um mísero verme por acreditar em seu desvalor. Mas o fim pode ser diferente, pode ser o fim do sofrimento a partir do esforço, o fim das dúvidas a partir da aceitação e compreensão de si mesmo. Ao invés do fim, podemos tentar um recomeço e recomeço quer dizer renovação!
    Gostei muito do texto, aplausos!!!
    Abraços 😊

    ResponderExcluir
  2. Excelente post, ficou muito bom, você escreve muito bem, ao meu ponto de vista, este post também serve com uma reflexão para a vida, adorei

    ResponderExcluir
  3. É um texto bastante profundo, realmente as palavras do texto falam muito, quando olhamos para o espelho muitas vezes não queremos encarar quem somos, seu texto falou muito bjs.

    ResponderExcluir
  4. Um poema melancólico que traz um sentimento de angústia muito grande. Infelizmente as mazelas da vida por vezes despertam depressão nos corações mais sensíveis.

    ResponderExcluir
  5. Adorei não só o seu texto, mas todo o seu blog, principalmente a categoria de crônicas.

    ResponderExcluir
  6. O texto me deu uma certa agonia, uma percepção de vazio no sujeito, complementada pela imagem no final dele.

    ResponderExcluir
  7. Ah, que legal conhecer seu blog! Na minha adolescência, tive um blog que se chamava "O estranho mundo de Isa", bateu até uma nostalgia aqui... <3
    Que poesia mais intensa e melancólica... Mostra um tom mais gótico e profundo sobre o significado do ser. Sua escrita é ótima. Adorei ler!

    Beijos!
    Isa | Pedagogia Criativa
    http://pedagogiacriativa.com

    ResponderExcluir
  8. Um texto denso, tenso, de profundo toque ao se comparar (e perder) para um verme. De desejar o espelho quebrado para não ter de se ver. Me tocou de forma triste e pouco polida. É do caramba! Mas sem fim, por favor

    ResponderExcluir
  9. Adorei o seu texto! Muito intenso e profundo!
    Devemos olhar para quem somos com clareza e não fingir não enxergar, nos chegarmos ao que é nítido...
    Serve como uma reflexão.
    Bjs

    ResponderExcluir
  10. É difícil aconselhar que não fique triste, porque entendemos que às vezes é apenas uma necessidade. Estar triste, você percebe o mundo de maneira diferente, você entende melhor sua vida e separa as prioridades. A tristeza pode fazer você ser tão negativo que se concentrará apenas no lado negativo das coisas ao seu redor.Lindo seu texto, mas muito profundo e triste.

    ResponderExcluir
  11. Um texto bem profundo, cheio de melancolia,
    bem triste ne? Seu blog é muito legal.

    ResponderExcluir
  12. Parabéns pela sensibilidade do texto, demonstrou através das palavras todo sentimento, bjs

    ResponderExcluir
  13. Fiquei bem abatida depois de ler essa poesia, a verdade e que não entendi o motivo de cara, mas depois de pensar só um pouquinho percebi que sofro do mesmo sentimento.

    ResponderExcluir

Fale comigo, estranho!

passagem

" hoje vi uma menina que até tatuagem  feminista tinha e no cabelo uma piranha os dedos delicados na mão estranha [a...